Facebook diz ao STF que não tem como recuperar vídeo publicado por Bolsonaro após o 8/1

A empresa alega que não tem meios para recuperar publicações quando elas são apagadas pelo usuário

© Reuters

Política Justiça 08/12/23 POR Estadao Conteudo

A Meta, empresa que administra o Facebook, informou ao Supremo Tribunal Federal (STF) que não tem mais o vídeo publicado e apagado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro após os ataques do dia 8 de janeiro.

Em manifestação enviada ao STF, a empresa alega que não tem meios para recuperar publicações quando elas são apagadas pelo usuário.

A Meta compartilhou o resultado das buscas internas. O documento, em inglês, conclui que "não há registros disponíveis" (no responsive records located).

Os advogados da plataforma argumentam que o STF não pode penalizar a empresa por descumprir uma ordem "materialmente impossível".

"A Meta Palataforms reafirma sua intenção de cooperar plenamente sempre que instada e requer seja reconhecida a impossibilidade material de cumprimento da r. ordem", diz um trecho do ofício enviado ao STF.

As explicações foram enviadas depois que o ministro Alexandre de Moraes, relator do caso, deu 48 horas para a empresa entregar uma cópia do vídeo. A multa diária em caso de descumprimento é de R$ 100 mil.

Moraes atendeu a um pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR), que afirma que o vídeo é necessário para decidir se há ou não elementos para denunciar Bolsonaro. Foi a PGR quem sugeriu a imposição de multa. Advogados da Meta chegaram a se reunir subprocurador-geral da República Carlos Frederico Santos, que coordena as investigações do dia 8 de janeiro.

O vídeo foi publicado por Bolsonaro no dia 10 de janeiro e apagado minutos depois. Em depoimento à Polícia Federal, o ex-presidente alegou que estava medicado quando fez a publicação. A versão dele é que o vídeo seria compartilhado no WhatsApp, para assistir depois, e não no perfil aberto no Facebook.

A primeira decisão determinando que o vídeo fosse preservado é de janeiro. Moraes pediu uma cópia do material nos autos da investigação sobre os "autores intelectuais" dos atos golpistas na Praça dos Três Poderes. Também foram requisitadas informações sobre o alcance da publicação de Bolsonaro - total de visualizações, número de compartilhamentos e de comentários. Uma nova notificação foi enviada em julho.

A Meta alega, no entanto, que só foi intimada das decisões em agosto que "desconhecia" a ordem para preservar o vídeo. Cabe agora a Moraes decidir se as explicações da plataforma são suficientes para afastar a multa.

PUB

PARTILHE ESTA NOTÍCIA

RECOMENDADOS

fama Paulo Zulu Há 15 Horas

Paulo Zulu atualiza seguidores sobre seu estado de saúde após câncer

brasil Araraquara Há 19 Horas

Estudante de medicina morre aos 18 anos após mal súbito

mundo México Há 18 Horas

Sogra contrata trio para atirar tinta na noiva no dia do casamento

economia FGTS Há 17 Horas

FGTS digital começa hoje; veja como vai funcionar

brasil Suzane von Richthofen Há 19 Horas

Suzane von Richthofen inicia curso de Direito em Bragança Paulista

mundo Vitamina D Há 18 Horas

Idoso morre após overdose de Vitamina D. Veja a dose máxima diária

fama Estética Há 17 Horas

Com 40 kg a menos, Jojo Todynho conta quais cirurgias pretende fazer

lifestyle Receitas Há 18 Horas

Bolo de banana sem açúcar; a receita ideal para quem não quer engordar

brasil Joinville Há 18 Horas

Minutos separaram morte de pai e filha por suspeita de dengue

esporte Atlético Mineiro Há 17 Horas

Hulk impressiona com força descomunal em treino do Atlético-MG