Meteorologia

  • 22 SETEMBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Bolsonaro chora ao lembrar atentado

Hoje faz um ano do atentado à faca que o então candidato à presidência sofreu, em Minas Gerais

Bolsonaro chora ao lembrar atentado
Notícias ao Minuto Brasil

20:20 - 06/09/19 por Notícias Ao Minuto Brasil

Brasil Atentado

O presidente Jair Bolsonaro chorou nesta sexta-feira (6), durante uma cerimônia no Palácio do Planalto, ao ser lembrado sobre o aniversário de um ano do atentado à faca que sofreu no ano passado, em Juiz de Fora (MG), durante a campanha eleitoral. Bolsonaro se emocionou durante um discurso do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que descreveu o momento como "muito duro e muito difícil".

"Daqui mais ou menos 10 ou 12 minutos, há um ano, nós vivemos um momento muito duro e muito difícil para todos nós. Então, antes de qualquer coisa, eu quero agradecer a Deus, porque naquele dia, de 6 de setembro do ano passado, ele protegeu a vida do então candidato Jair Messias Bolsonaro, para trazê-lo com a sua benção e com a sua luz, para promover coisas como nós estamos fazendo hoje. Obrigado, meu Deus", disse Onyx, no início de sua fala no evento de lançamento da carteira estudantil digital.

Segundo o jornal O Globo, sob aplausos dos presentes, Bolsonaro permaneceu quieto, mas visivelmente emocionado, e fez gestos de agradecimento.  

Essa não foi a única lembrança do atentado. Pela manhã, ao sair do Palácio da Alvorada, o presidente disse que era seu "aniversário" porque ele teria nascido de novo em Juiz de Fora no ano passado, e ouviu um "Parabéns para você" dos apoiadores que estavam ali.

"Hoje é meu aniversário. Nasci em Juiz de Fora, faz um ano. Muito obrigado, Santa Casa de Juiz de Fora. Estou vivo, graças a Deus, dirigindo, com a graça de Deus, essa nação".

Ontem (5), durante live no Facebook, Bolsonaro  se emocionou ao relembrar do atentado.  “Foi um milagre a minha vida e um quase milagre a minha eleição. Não vamos jogar isso fora. Não posso fazer tudo aquilo que quero. Alguns até acham que isso seria bom. E também concordo, isso não é uma ditadura”, disse o presidente. 

Campo obrigatório