Meteorologia

  • 17 SETEMBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Bolsonaro interrompe desfile militar e faz gesto de apoio a Moro

O aceno ocorreu após uma semana de constrangimentos entre ambos

Bolsonaro interrompe desfile militar e faz gesto de apoio a Moro
Notícias ao Minuto Brasil

13:45 - 07/09/19 por Folhapress

Brasil Independência

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro quebrou o protocolo neste sábado (7) e interrompeu a parada de Sete de Setembro. Em um gesto de apoio público, ele chamou o ministro da Justiça, Sergio Moro, e desfilou abraçado a ele pela Esplanada dos Ministérios.

O aceno ocorreu após uma semana de constrangimentos entre ambos. Em café da manhã com a Folha, Bolsonaro sinalizou a troca do diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, o que seria mais uma ingerência do presidente na pasta.

A descida do presidente do camarote de autoridades não era prevista e pegou de surpresa o GSI (Gabinete de Segurança Institucional), que teve de organizar um esquema de segurança de última hora.O presidente desceu inicialmente sozinho.

Depois, acenou para que Moro o acompanhasse. Além dele, caminharam ao lado de Bolsonaro os ministros Augusto Heleno (GSI) e Onyx Lorenzoni (Casa Civil).Os empresários Silvio Santos (SBT), Edir Macedo (Record) e Marcelo de Carvalho (RedeTV), que acompanharam a parada na tribuna de autoridades, preferiram não participar da caminhada do presidente.

Na tentativa de demonstrar que conta com apoio público, no momento em que a rejeição ao seu governo enfrenta uma queda, Bolsonaro cumprimentou simpatizantes à sua administração e brincou de reger a orquestra dos Dragões da Independência.

Mais tarde, em um novo aceno, o presidente vestiu um boné da PRF (Polícia Rodoviária Federal) durante a passagem do grupamento motorizado e aplaudiu o contingente da Polícia Federal.

No último mês, a popularidade de Bolsonaro enfrentou uma erosão. A mais recente pesquisa Datafolha mostrou o aumento de 33% para 38% na reprovação de sua gestão de julho a agosto, com perda de apoio entre os mais ricos e os mais escolarizados.

Para a cerimônia deste ano, ele liberou mais recursos do que seu antecessor, Michel Temer, e convidou religiosos, empresários e militares simpáticos ao seu governo.

A área reservada a autoridades foi reforçada pelos apoiadores do presidente.Além dos empresários da comunicação, foram convidados pelo Palácio do Planalto estavam presentes Luciano Hang, da Havan, o núncio apostólico no Brasil, dom Giovanni D'Anielo, e o embaixador de Israel no Brasil, Yossi Shelley.

Os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, não compareceram. Maia viajou para o Catar e Toffoli, para a Inglaterra.

Neste ano, a segurança foi reforçada. Havia barreiras impedindo o acesso de pessoas sem convites ao prédio do Ministério da Defesa.

Campo obrigatório