Meteorologia

  • 22 NOVEMBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Mourão anuncia reforço do Exército para combate a manchas de óleo

Mourão negou que haja omissão por parte do governo federal e disse que todos os planos de controle foram postos em ação

Mourão anuncia reforço do Exército para combate a manchas de óleo
Notícias ao Minuto Brasil

19:00 - 21/10/19 por Folhapress

Brasil LITORAL-NE

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente interino, Hamilton Mourão, afirmou que o Exército reforçará a partir desta segunda-feira (21) com cerca de 5.000 homens o combate às manchas de petróleo nas praias do Nordeste. 

"Hoje o Exército está colocando uma brigada, a 10ª Brigada, que é a sediada em Recife, que tem entre 4.000, 5.000 homens está sendo colocada em reforço. Fora equipamentos que estão sendo distribuídos à Defesa Civil dos estados e municípios", afirmou Mourão a jornalistas depois de reunião no Ministério da Defesa sobre o vazamento. Ele disse não saber quais equipamentos serão disponibilizados. 

A 10ª Brigada de Infantaria Motorizada é sediada no Recife (PE) e deve atuar em toda a região atingida na limpeza das praias. 

Segundo a Defesa, a retirada do óleo estava sendo realizada pela Marinha e a Aeronáutica. É a primeira Brigada do Exército a ser deslocada para atuar no caso. 

Mourão negou que haja omissão por parte do governo federal e disse que todos os planos de controle foram postos em ação. "As medidas todas estão sendo tomadas e nós acreditamos que em mais algum tempo vai cessar essa chegada de óleo até as nossas praias", disse. 

Segundo o Ibama, 200 locais de pelo menos 77 municípios em nove estados já foram atingidos pelas manchas de óleo. 

Na terça-feira (22) o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, viajará para a região para conversar com governadores, segundo Mourão. 

Nesta segunda, o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, se encontrará com o governador da Bahia, Rui Costa (PT). 

Mourão também afirmou não ter expectativa de quando o óleo parará de chegar às praias brasileiras. "Não temos. Esse óleo que chegou agora em Pernambuco é uma segunda vaga de assalto. Já houve a primeira vaga de assalto. Essa pode ter ficado para trás na hora que foi lançado no mar", disse.

Campo obrigatório