Meteorologia

  • 06 DEZEMBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Sobe para 17 o número de mortos em tragédia em Minas Gerais

O prefeito de Mariana, Duarte Junior (PPS), disse que decretará estado de emergência no município

Sobe para 17 o número de mortos em tragédia 
em Minas Gerais
Notícias ao Minuto Brasil

08:33 - 06/11/15 por Estadao Conteudo

Brasil Barragem

Após o rompimento de duas barragens, na tarde desta quinta-feira, 5, entre Mariana e Ouro Preto, o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais afirmou na manhã desta sexta-feira, 6, que há riscos em outra barragem. De acordo com o assessor de comunicação, major Rubem da Cruz, a corporação monitora uma terceira barragem na cidade de Mariana, que poderia ter um novo risco de rompimento.

Em entrevista à Rádio CBN, ele afirmou que uma vistoria foi realizada durante a madrugada e deve-se repetir na manhã desta sexta-feira. Ainda segundo ele, a hipótese de que um abalo sísmico de 2 pontos na escala Richter poderia ter causado os rompimentos está sendo investigada.

O prefeito de Mariana, Duarte Junior (PPS), disse que decretará estado de emergência no município, atingido por uma onda de lama depois que duas barragens da mineradora Samarco estouraram.

A Prefeitura da cidade de Mariana divulgou pedido de ajuda nas redes sociais para receber donativos, como roupas, colchões, água mineral, produtos de higiene pessoal, e também, pratos, copos e talheres descartáveis. Os interessados em ajudar devem se dirigir ao Centro de Convenções do município. O governador do Estado, Fernando Pimentel (PT), e o ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi, devem chegar ao local na manhã desta sexta-feira.

Tragédia

O distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, foi completamente alagado. Foram confirmadas 17 mortes e 75 feridos. A previsão dos bombeiros era de que o número de mortes chegasse a 40 - ainda havia desaparecidos e muitas pessoas a resgatar.

A tragédia deve transformar-se na mais grave na área ambiental do Estado. Até uma igreja histórica do século 18 e uma escola de ensino fundamental teriam sido atingidas. "Uma avalanche de lama destruiu casas, escola, igreja, posto de saúde e carros. Muitas famílias estão desalojadas e sem notícias de seus familiares. O resgate é difícil e somente com helicópteros é possível chegas às áreas destruídas", relatou ao jornal O Estado de S. Paulo o secretário de Saúde de Mariana, Juliano Duarte. "Muitos desabrigados estão alojados provisoriamente em uma escola. É uma das cenas mais tristes que já vi", lamentou.

"O distrito desapareceu, sumiu debaixo da lama", afirmou o prefeito Duarte Júnior à Rádio Estadão. "Cheguei perto e eu vi a visão da inferno. A gente que conhece o lugar olhava e não via mais nada, casa, carro em cima de telhado."

Segundo o promotor Carlos Eduardo Ferreira Pinto, coordenador de Meio Ambiente do Ministério Público Estadual, a situação é catastrófica. "Ainda não há condições de saber o número total de mortos", disse. Uma avaliação completa só será possível na manhã de hoje.

A população estimada de Bento Rodrigues, que fica a 25 km da região central do município, é de 620 pessoas, residentes em 200 casas, de acordo com os dados do governo do Estado.

Exército

Em nota oficial, o governador Fernando Pimentel (PT) afirmou ter recebido com "consternação a informação sobre o rompimento da barragem". Já a presidente Dilma Rousseff foi informada do acidente pelo ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, e colocou o Exército, o Centro de Desastres e a Força Nacional à disposição para ajudar no socorro.

Seis continuam internados

Seis pessoas receberam alta e uma permanece internada no Hospital Monsenhor Horta, em Mariana (MG), após o rompimento de duas barragens de rejeitos da mineradora Samarco. De acordo com boletim atualizado na manhã de hoje (6), a unidade de saúde recebeu, até o momento, oito vítimas da tragédia. Uma delas já chegou morta ao local.

A assessoria de imprensa do hospital informou que o paciente que segue internado deve ser transferido para uma unidade de alta complexidade em Belo Horizonte, mas ainda não há previsão para que o transporte para a capital mineira seja feito. A unidade em Mariana atende apenas casos de baixa e média complexidade e não pode fazer, por exemplo, avaliações neurológicas de pacientes. Com informações do Estadão Conteúdo.

Campo obrigatório