Meteorologia

  • 30 JUNHO 2022
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Biólogo russo é preso ao tentar embarcar com 200 animais vivos

Ao todo, foram apreendidos ao menos 50 lagartos, de três espécies diferentes, 50 aranhas, 25 sapos, de cinco espécies diferentes, ao menos 100 invertebrados e também peixes dentro de garrafas de água mineral

Biólogo russo é preso ao tentar embarcar com 200 animais vivos
Notícias ao Minuto Brasil

08:34 - 21/01/21 por Folhapress

Justiça PRISÃO-SP

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um biólogo russo de 35 anos foi preso na manhã desta quarta-feira (20), quando tentava embarcar no aeroporto de Guarulhos (Grande SP) com mais de 200 animais vivos, incluindo peixes, para São Petersburgo, na Rússia. A defesa do estrangeiro não havia sido localizada até a publicação desta reportagem.

Ao todo, foram apreendidos ao menos 50 lagartos, de três espécies diferentes, 50 aranhas, 25 sapos, de cinco espécies diferentes, ao menos 100 invertebrados e também peixes dentro de garrafas de água mineral. Os animais foram encaminhados ao Instituto Butantan.

Segundo o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), o homem levava em suas bagagens, inclusive de mão, animais como aranhas, lagartos, peixes, além de animais invertebrados.

O estrangeiro era monitorado pelo Ibama e pela Receita Federal desde 2017, quando foi preso em Amsterdam, na Holanda, pelo mesmo tipo de crime. Na ocasião, ele estaria transportando animais da fauna brasileira.

De acordo com a investigação, o russo coletou as espécies apreendidas nesta quarta em Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Os animais, segundo o Ibama, seriam comercializados na Rússia. O indivíduo está no Brasil desde dezembro do ano passado.

Ele foi indiciado por crime ambiental e transporte de animais silvestres sem autorização. O caso foi encaminhado à Polícia Federal. Não foi informado se o suspeito iria responder ao caso em liberdade, ou se seria mantido preso.

Leia Também: Filhos de deputado e prefeito são vacinados no AM; MP e TCE investigam

Campo obrigatório