Diretores de Pavilhão 5 de Alcaçuz são exonerados

Responsáveis deixaram cargo um mês após motim que culminou na morte violenta de 26 presos

© Nacho Doce/Reuters
Brasil Crise 08:20 - 17/02/17 POR Notícias Ao Minuto

Um mês depois do início do motim que resultou na chacina de 26 detentos, cinco responsáveis pelo Pavilhão 5, da Penitenciária Estadual de Alcaçuz, no Rio Grande do Norte, foram exonerados nesta quinta-feira (16). O diretor Ivis Ferreira, o vice-diretor, Rubian Rocha, e outros três funcionários saíram. No lugar dos principais dirigentes, entrarão os agentes Francisco Giovanny e Hudson Luiz da Silva, respectivamente.

PUB

O presídio Rogério Coutinho Madruga, nome oficial do pavilhão, foi inaugurado em dezembro de 2010, custou cerca de R$ 11 milhões, ma deve ser desativado, após ter sido cenário do surgimento do conflito entre as facções criminosas, no Rio Grande do Norte.

De acordo com o G1, o lugar está parcialmente destruído, com portas e grades arrancadas e parte da estrutura caída. Um muro de concreto ainda está sendo construído no local, para separar as facções Primeiro Comando da Capital (PCC) e Sindicato do Crime do RN.

Inquérito

Conforme a Agência Brasil, o Ministério Público do Rio Grande do Norte decidiu instaurar inquérito civil para apurar a real intenção do governo estadual de fechar a maior unidade prisional potiguar, a Penitenciária Estadual de Alcaçuz, em Nísia Floresta, na região metropolitana de Natal.

Leia também: Estado deve indenizar preso por condições carcerárias degradantes

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS

X