Meteorologia

  • 14 DEZEMBRO 2017
Tempo
10º
MIN 10º MÁX 10º

Edição

Chega ao fim 1ª fase da reforma do Museu da Língua Portuguesa

Dois anos após incêndio, fachada do prédio será reinaugurada nesta quarta

Chega ao fim 1ª fase da reforma do Museu da Língua Portuguesa
Notícias ao Minuto Brasil

11:26 - 06/12/17 por Estadao Conteudo

Brasil são paulo

A fuligem nos corredores, o vazio nos espaços antes ocupados por exposições e o vaivém de operários são a intermitente cicatriz que remete ao incêndio de grandes proporções. Mas a fachada recuperada e o relógio que voltará a funcionar na manhã de hoje servem como recado público: o Museu da Língua Portuguesa vai voltar.

Quase dois anos após a tragédia de 21 de dezembro de 2015, quando o fogo destruiu suas instalações, deixou um morto e causou sua interdição, a instituição que ocupa parte do histórico prédio da Estação da Luz comemora o fim da primeira das três etapas previstas de recuperação. Fachadas e esquadrias estão novas em folha.

"Oitenta operários participaram dessa fase", diz a arquiteta Ana Flávia Costa Rolim. Na tarde desta terça-feira, 5, reportagem do jornal O Estado de S. Paulo teve acesso exclusivo ao local e conferiu os resultados. As 230 esquadrias estão todas recuperadas e já protegidas por um tapume de madeirite para que não sejam danificadas nos trabalhos de recuperação da cobertura.

"85% delas foram restauradas, em parte com madeiramento calcinado por causa do incêndio", conta Ana Flávia. "O restante não pôde ser recuperado e precisou ser refeito." Restauro feito ali dentro mesmo. "Para este trabalho, montamos uma verdadeira oficina no canteiro de obras", relata a engenheira Graciele Aniceto.

Apesar de a fachada estar pronta, os tapumes e a tela que protegem o prédio não serão retirados ainda. "É preciso manter a proteção no decorrer dos trabalhos", diz Regina Ponte, coordenadora da unidade de Preservação do Patrimônio Museológico da Secretaria Estadual de Cultura.

Foi preocupação semelhante, aliás, que manteve o imponente relógio do alto da torre desligado desde a tarde do incêndio. O aparelho não foi danificado durante o incidente. Optou-se, entretanto, pela sua retirada para que nenhum risco houvesse de que os trabalhos de recuperação da torre interferissem em seu funcionamento. "Então aproveitamos para fazer manutenção e restauro", conta Regina. Na manhã de hoje, seus ponteiros voltarão à ativa e poderão novamente ser vistos em seus mostradores de 4,4 metros de diâmetro.

A segunda etapa dos trabalhos de recuperação já começou em setembro. Cerca de 60 operários dedicam-se à recuperação dos torreões, restauro dos pátios e reconstrução da cobertura do edifício - que cedeu com o incêndio. Para isso, uma oficina de carpintaria foi montada e é ali que toda a estrutura dessa cobertura vem sendo preparada. Apesar de recuperar a mesma volumetria da construção anterior, será uma modernização. Isso porque, graças a uma combinação entre peças de madeira, cabos de aço e revestimento de zinco, a configuração interior será mais ampla e contemporânea.

Pelo organograma, os trabalhos desta fase só serão concluídos em julho. Aí deve ser iniciada a etapa final: o restauro do interior do prédio. "Em paralelo, o plano museológico já está sendo feito", antecipa a coordenadora Regina.

Essa sincronia é necessária para que os planos sejam cumpridos, ou seja, o novo Museu da Língua Portuguesa abra suas portas, renascido das cinzas e modernizado, até o fim de 2019. O custo total dessa reconstrução é de R$ 65 milhões. A iniciativa privada bancou R$ 36 milhões e o restante será custeado graças à indenização do seguro contra incêndio.

Sustentabilidade

A ideia de reaproveitar o madeiramento tem função histórica e ambiental. O material, peroba-do-campo rosa e amarela, era datado de 1946. Além disso, o museu quer obter o selo Leed, certificação internacional para construções sustentáveis.

Se o projeto for executado conforme previsto, a instituição receberá a classificação prata. Isso porque os trabalhos preveem reaproveitamento de material, uso de madeira certificada, redução de consumo de energia, coleta de água de chuva e gestão de resíduos.

Nos dez anos em que esteve em funcionamento, o Museu da Língua Portuguesa recebeu 4 milhões de visitantes. Em 2015, mesmo ano que houve o incêndio, havia sido eleito pelo site Trip Advisor como um dos três melhores da América Latina. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório