Meteorologia

  • 19 ABRIL 2018
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Brasil registra queda em casos de dengue, zika e chikungunya

Redução é acompanhada do aumento das inciativas do Ministério da Saúde para intensificar os trabalhos de combate ao mosquito Aedes aegypti

Brasil registra queda em casos de dengue, zika e chikungunya
Notícias ao Minuto Brasil

12:57 - 13/12/17 por Notícias Ao Minuto

Brasil Saúde

Casos de dengue, chikungunya e zika estão em queda no Brasil. Dados do último boletim epidemiológico, divulgado pelo Ministério da Saúde, revelam que os registros das principais doenças causadas pelo Aedes aegypti diminuíram entre janeiro e novembro deste ano, em comparação com o mesmo período de 2016.

Entre essas três complicações, a que apresentou o maior percentual de declínio foi a zika. Segundo o ministério, até 11 de novembro, haviam sido registrados 16.870 casos da doença em todo o País. O número representa uma redução de 92,1% em relação a 2016, quando 214.126 casos foram registrados. Com isso, a taxa de incidência da zika passou de 103,9 para cada 100 mil em 2016, para 8,2 neste ano.

No País, as regiões Centro-Oeste e Norte são as que apresentam as maiores taxas de incidência: 38,3 casos/100 mil habitantes, e 12,2 casos/100 mil habitantes, respectivamente.

Em relação à dengue, a redução foi de 83,7%. Enquanto no ano passado foram notificados 1.463.007 casos prováveis da enfermidade, neste ano foram 239.076. Já os registros de dengue grave caíram 73%, ou seja, de 901, em 2016, para 243, em 2017.

Os casos de dengue com sinais de alarme (choque e hemorragia), por sua vez, eram de 8.875 em 2016 para 2.209 em 2017, redução de 75%.

Sobre a febre chikungunya, o boletim informa que foram notificados 184.458 casos prováveis. Assim, a taxa de incidência atual é de 89,5 casos para cada 100 mil habitantes. Isso representa uma redução de 32,1% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram registrados 271.637 casos, e quando a taxa de incidência era de 131,8 casos/100 mil/hab.

Essas quedas são acompanhadas pelo aumento das iniciativas do Ministério da Saúde para intensificar os trabalhos de combate ao mosquito Aedes aegypti.

Os recursos para as ações de Vigilância em Saúde, incluindo o combate ao mosquito, cresceram 83% nos últimos anos, passando de R$ 924,1 milhões, em 2010, para R$ 1,7 bilhão, em 2016. Para este ano, o orçamento de vigilância em saúde para os estados deve chegar a R$ 1,96 bilhão.

Um das ações é a Sexta-feira sem Mosquito, quando são mobilizados ministros, governadores e autoridades para estarem em todos os estados. Com informações do Portal Brasil.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório