Meteorologia

  • 21 ABRIL 2018
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Febre amarela já matou 10 pessoas e 501 macacos em SP em 16 meses

Primatas, apesar de hospedeiros do vírus, não o transmitem à população

Febre amarela já matou 10 pessoas e 501 macacos em SP em 16 meses
Notícias ao Minuto Brasil

22:01 - 13/12/17 por Folhapress

Brasil saúde

O Estado de São Paulo teve dez mortes de humanos e outros 501 óbitos de macacos por febre amarela de julho de 2016 a novembro deste ano, de acordo com levantamento da secretaria de saúde da gestão Alckmin (PSDB).

O número representa uma média de 29 animais mortos por mês pela doença. Os 16 meses analisados integram o período em que houve a maior incidência de casos no Estado de São Paulo.

Dos 501 macacos que morreram por febre amarela, 74% deles foram localizados em regiões de mata da cidade de Campinas (a 96 km da capital paulista).

A pasta da saúde afirma que localizou ao todo 2.147 primatas mortos – todos foram submetidos a exames laboratoriais que detectaram a causa dos óbitos.

+ Após polêmica, Amazonas autoriza garimpo ao longo do rio Madeira

A transmissão da febre amarela para os macacos é feita pelo mosquito haemagogus, comum nas áreas de mata. Os primatas, apesar de hospedeiros do vírus, não o transmitem à população – quem o faz são os mosquitos Aedes aegypti, o mesmo que transmite a dengue, após picarem alguém já infectado.

Outras 23 pessoas contraíram febre amarela no período. Destas, dez não resistiram às complicações da doença e morreram no Estado. As cidades paulistas onde as infecções evoluíram para mortes são: Américo Brasiliense, Amparo, Batatais, Monte Alegre do Sul, Santa Lucia, São João da Boa Vista e Itatiba.O Brasil não registrava casos de febre amarela silvestre (transmitida em área de mata) desde 1942, de acordo com o Ministério da Saúde.

MONITORAMENTO

A pasta da saúde paulista afirma que tem intensificado os monitoramentos no território do Estado, especialmente, nos corredores ecológicos, onde é intensa a circulação de animais.

Também como medida preventiva, o governo decidiu fechar parques públicos onde os primatas foram achados mortos. Desde 20 de outubro, foi confirmada a morte de quatro macacos pela doença na capital paulista: dois no Parque Anhanguera, um no Horto Florestal e outro no Parque Ecológico do Tietê.

Por precaução, 16 parques foram fechados para visitação. Na última semana, a Prefeitura de Mairiporã confirmou a morte de 22 macacos com a doença.

No momento, os parques estaduais do Horto e da Cantareira (ambos na zona norte da capital paulista), do Alto Tietê (na zona leste) e o de Osasco (na Grande SP) não estão abertos à visitação.

Na capital paulista, a meta é vacinar cerca de 2,4 milhões de pessoas que residem na zona norte. A imunização também foi intensificada nas regiões de Jundiaí, do Alto Tietê e de Osasco. Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório