Meteorologia

  • 19 DEZEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Biometria não afeta Guarulhos, segundo maior colégio eleitoral de SP

Segundo maior colégio eleitoral do estado, atrás apenas da capital, Guarulhos teve o cadastramento biométrico obrigatório para essas eleições

Biometria não afeta Guarulhos, segundo maior colégio eleitoral de SP
Notícias ao Minuto Brasil

16:43 - 07/10/18 por Folhapress

Brasil eleições 2018

"Isso aqui está que nem o Brasil. Parado", reclamou Marcelo Carneiro de Abreu, 36, após 15 minutos de fila na seção em que votaria neste domingo (7), em Guarulhos (Grande São Paulo).

Dentro da sala, uma senhora ia e voltava da urna eletrônica. Tinha esquecido os números de seus candidatos e se recusava a sair da sala sem votar. "Chegou na hora e deu branco. E eu não trouxe nada [lista dos candidatos]", afirmou depois a aposentada Luzinete Freitas da Silva, 73.

+ Novidade na eleição, biometria causa filas em locais de votos pelo país

Segundo maior colégio eleitoral do estado, atrás apenas da capital, Guarulhos teve o cadastramento biométrico obrigatório para essas eleições. Dos 814.342 eleitores do município, apenas 652 não fizeram o cadastro, de acordo com a Justiça Eleitoral -percentual de 99,92% de cadastrados.

Quem não fez o cadastro teve o título de eleitor cancelado. Foi o caso de Gelson Alecsandro Grandão, 37. Ele compareceu a sua seção no bairro de Bonsucesso para saber se conseguiria votar, mas seu nome não estava na lista e ele foi impedido.

O fiscal o orientou a comparecer em um cartório eleitoral a partir de 5 de novembro para regularizar a situação. "Não fui [cadastrar a digital no prazo] porque não quis, estava com preguiça", afirma Gelson.

Para quem tem a biometria, a votação correu bem. Enquanto em outras partes do país a adaptação ocasionou lentidão, nas zonas eleitorais guarulhenses apenas ocorrências como a de dona Luzinete é que causaram atrasos. "É mais rápido", disse o motorista José Marcos Ferreira, 55. "E na questão da segurança ajuda a não ter fraude."

No CEU Pimentas, a cuidadora Josefa Maria da Silva, 60, fez questão de chegar cedo para evitar filas. Na porta do CEU desde as 7h30, ela disse ter feito o cadastramento há mais de um ano. "Fui mudar o meu título e estavam começando [a registrar as digitais]. Acho que vai ser mais rápido, o que vai demorar neste ano é que são vários candidatos" -o eleitor vota para seis cargos no primeiro turno.

Na hora de aplicar o dedo indicador na máquina, no entanto, não houve reconhecimento da digital. Ainda assim, Josefa votou. Como tinha feito o cadastro, seu nome constava na lista da seção e ela apenas assinou, como é nos municípios onde a biometria ainda não é exigida, caso de São Paulo.

O motorista Ferreira votou ainda com outra inovação, o e-título, versão eletrônica do título de eleitor. "É só baixar o aplicativo, é mais prático", afirmou, mostrando o documento na tela do celular.

SANTINHOS

Em bairros populosos, como Pimentas e Bonsucesso, mal se consegue enxergar o chão nas calçadas das escolas onde ocorrem as votações, tamanho o volume de panfletos.

"Quando chover mais tarde vai ficar pior", disse um homem ao passar em cima de uma boca de lobo e entrar em uma viela forrada dos papeizinhos de candidatos próxima à Escola Estadual Félix Porto, em Pimentas.

Na calçada de outra escola, em Bonsucesso, a situação é semelhante. "Vai ter que recolher tudo isso e pagar multa", diz uma mulher, como se falasse com os candidatos das centenas de folhetos.

A legislação eleitoral proíbe a distribuição de panfletos apenas no dia da eleição. A reportagem, no entanto, não presenciou distribuição -nem fiscalização- na porta das escolas.

Por volta das 10h começou a garoar no município, mas sem volume para levar os sorrisos plásticos estampados nos santinhos aos bueiros, o que pioraria o problema do lixo eleitoral na região. Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório