Meteorologia

  • 22 AGOSTO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Situação neurológica de gêmeas unidas pela cabeça ainda é desconhecida

Separação das gêmeas siamesas Maria Ysabelle e Maria Ysadora, de 2 anos e 3 meses, é caso único na história da medicina brasileira

Situação neurológica de gêmeas unidas pela cabeça ainda é desconhecida
Notícias ao Minuto Brasil

15:33 - 29/10/18 por Folhapress

Brasil Saúde

Após a histórica cirurgia de separação de gêmeas siamesas unidas pela cabeça, concluída com sucesso neste domingo (28) no HC (Hospital das Clínicas) de Ribeirão Preto (a 313 km de São Paulo), o desafio agora é conhecer o resultado final do ponto de vista neurológico das crianças.

Caso único na história da medicina brasileira, a separação das gêmeas siamesas Maria Ysabelle e Maria Ysadora, de 2 anos e 3 meses, foi possível após cinco procedimentos cirúrgicos, iniciados em fevereiro.

Segundo o neurocirurgião pediátrico Marcelo Volpon, agora será preciso avaliar se elas terão algum tipo de deficit.

"Por enquanto elas estão bem no sentido de que mexem os braços, as pernas, elas estão respondendo. Mas a gente precisa saber qual vai ser o resultado final do ponto de vista neurológico, como vai ser o desenvolvimento de fala, de atenção, a parte intelectual, tudo isso vai ter de ser visto e tem de ser estimulado, claro. Atividade de reabilitação muito prolongada", afirmou.

+ Deputada do PSL pede que alunos gravem vídeos para denunciar docentes

Ele e o também neurocirurgião pediátrico Ricardo Santos Oliveira foram responsáveis pela "soltura" das crianças, momento que ambos classificaram como emocionantes. No momento em que isso ocorreria, as 21h09 de sábado (27), ambos chamaram os médicos Helio Machado e James Goodrich, comandantes da operação.

"Foi muito emocionante, eu com uma, Marcelo com a outra. Trocamos algumas palavras [antes], pedimos a presença do Goodrich e do professor Helio. À medida que se soltaram, acho que esse é o termo, ficar com uma na mão e o Marcelo com a outra foi muito emocionante", disse Oliveira.

A equipe médica, que envolveu cerca de 40 profissionais, comemorou quando ocorreu a separação. Mas por poucos segundos.

Em seguida, as crianças foram colocadas em mesas cirúrgicas diferentes para que fosse feita a reconstrução dos crânios.

"Tinham uma faixa de cérebro fundido bastante grande. Sabíamos disso, mas foi a parte mais complicada. Mas deu tudo certo", disse Volpon.

As crianças estão clinicamente bem nesta segunda-feira (29), segundo Machado. "Tudo correu muito bem, elas estão bem, as duas sem respirador. Os especialistas trocaram curativos e elas estão passando muito bem", disse.

As gêmeas devem ficar em Ribeirão no mínimo por mais alguns meses. A alta da UTI (Unidade de Terapia Intensiva) deve ocorrer em uma semana, mas a alta hospitalar deverá acontecer somente em algumas semanas.

Volpon afirmou que após o período inicial da reabilitação elas poderão voltar para o Ceará, estado natal delas, para fazerem a sequência do processo, mas terão o desenvolvimento acompanhado pelo HC.

Uma das gêmeas, Maria Ysabelle, terá de passar por novo procedimento em duas a três semanas, para revestir uma parte da cabeça com enxerto de pele, que será retirada de sua coxa, segundo o cirurgião plástico Jayme Farina.

Também cirurgião plástico, Pedro Colto disse que esteticamente o procedimento foi bem sucedido. "A montagem da nova calota craniana ficou relativamente arredondada e retalhos de pele cobriram de forma bastante satisfatória os defeitos", disse.

As gêmeas, e seus pais, estão em Ribeirão Preto desde fevereiro, quando foi feito o primeiro dos cinco procedimentos cirúrgicos a que foram submetidas.

Segundo os relatos médicos, os pais das meninas ficaram radiantes quando receberam a notícia da separação, que ocorreu após mais de 14 horas de cirurgia. Apesar disso, o procedimento todo -que incluiu cirurgia plástica- só foi concluído já na madrugada deste domingo.

O processo foi tão complexo que envolveu o neurocirurgião americano James Goodrich, do Montefiore Medical Center, de Nova York, considerado um dos maiores especialistas do mundo no assunto.

A família das gêmeas é de Patacas, distrito de Aquiraz (CE), mas se mudou para Ribeirão para dar mais conforto a todos e evitar deslocamentos aéreos.

A primeira cirurgia foi realizada em 17 de fevereiro e, assim como a segunda, feita três meses depois, foi bem-sucedida.

Em agosto, foi a vez do terceiro procedimento, um dos mais complexos da série, que deixou os cérebros praticamente separados. Só na parte neurológica, a operação durou cerca de sete horas e mobilizou 25 pessoas.

No mesmo mês, passaram por um novo procedimento preparatório, com a implantação de expansores subcutâneos para dar elasticidade à pele.

O valor de uma cirurgia como essa é calculado em US$ 2,5 milhões (R$ 9,1 milhões) na rede privada dos EUA. Na rede pública, como é o caso das meninas, o custo é menor. Com informações da Folhapress.

Campo obrigatório