Meteorologia

  • 19 SETEMBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Ato contra Bolsonaro em São Paulo termina em conflito

Restante da manifestação foi pacífica e começou na avenida Paulista

Ato contra Bolsonaro em São Paulo termina em conflito
Notícias ao Minuto Brasil

06:48 - 31/10/18 por Folhapress

Brasil Protestos

Ato contra o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), nesta terça (30) em São Paulo, acabou em conflito entre um grupo de pessoas com rostos cobertos e policiais militares sem identificação.

O protesto começou com discursos políticos em frente ao Masp, na Avenida Paulista, e acabou na rua da Consolação, em frente à Praça Roosevelt, no centro da capital.

+ Ativistas fazem ato contra Jair Bolsonaro no Rio de Janeiro

Quando houve a confusão, às 22h45, a maioria dos manifestantes já havia se dispersado, mas cerca de 30 pessoas continuou fechando a via.

Os policiais negociaram por uma hora e meia antes de dispersarem o grupo com bombas de efeito moral. Eles responderam jogando garrafas.

O restante do ato foi pacífico e, inicialmente, ocupou o vão do Masp e um dos sentidos da Paulista em frente ao museu.

Ao público, em cima de um carro de som, o líder do MTST (Movimento dos Sem-Teto) Guilherme Boulos disse que reconhece o resultado das eleições deste domingo (28), mas que inicia desde já um movimento de oposição ao presidente eleito.

"Nós não somos o Aécio Neves", disse, em referência ao candidato derrotado do PSDB à Presidência em 2014, que pedou auditoria do resultado ao Tribunal Superior Eleitoral.

Boulos foi candidato do PSOL nesta eleição e ficou com 0,5% dos votos válidos."O Bolsonaro se elegeu presidente do Brasil, não imperador do Brasil", disse. Um presidente tem que "respeitar as liberdades democráticas", acrescentou, "e não afirmar que as oposiçôes têm que ir para a cadeia ou exílio".

Ao subir no palanque, Boulos foi recebido pela plateia com o grito "ô, Bolsonaro, preste atenção, a sua casa vai virar ocupação".

Ele se apressou em dizer que era "uma brincadeira". Antes, aliados do presidente eleito usaram o grito em campanha para atacar o adversário. "Ele se utilizou disso para atacar e criminalizar o movimento porque é o que sabe fazer", disse Boulos.

Além dele, discursaram o vereador Eduardo Suplicy (PT). Ele disse que, em vez de reduzir a maioridade penal, a solução para a criminalidade é implantar a renda básica de cidadania -repetitiva bandeira sua.Também falaram líderes de movimentos de esquerda, como a presidente da UJS (braço jovem do PC do B) Carina Vitral, que pregou "reunir os amigos e parentes que foram enganados nos grupos de WhatsApp".

As principais bandeiras do ato foram a oposição a propostas de Bolsonaro como a reforma da Previdência e a escola sem partido.

Entre o público, houve gritos como "ditadura nunca mais" e "ele não e o Doria também não", em referência ao governador eleito João Doria (PSDB).

Além de cartazes contra o presidente eleito, os manifestantes seguraram bandeiras de partidos como PT, PCB, PSOL e PSTU.

No final, quando houve a confusão, parte dos manifestantes criticou o grupo que manteve a rua fechada, mesmo após o ato encerrado."Esse pessoal, esses punks, não representam a gente, não. O trabalhador só quer ir para casa agora. A manifestação não foi isso", reclamou Fabiano dos Santos Leite, 33. Com informações da Folhapress.

Campo obrigatório