Meteorologia

  • 24 ABRIL 2019
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Na Assembleia do Rio, familiares recebem medalha em nome de Marielle

Homenagem foi recebida pelo pai da vereadora Antonio Francisco da Silva e por sua irmã Anielle Franco

Na Assembleia do Rio, familiares recebem medalha em nome de Marielle
Notícias ao Minuto Brasil

20:37 - 10/12/18 por Notícias Ao Minuto

Brasil homenagem

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) fez hoje (10) a entrega póstuma da Medalha Tiradentes à vereadora Marielle Franco. Trata-se da comenda mais importante do parlamento fluminense. A homenagem in memorian foi recebida pelo pai da vereadora Antonio Francisco da Silva e por sua irmã Anielle Franco.

Na sexta-feira (14), faz nove meses do assassinato de Marielle e do motorista, Anderson Pedro Gomes. 

Após a cerimônia, o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), que presidente da Comissão de Direitos Humanos da Alerj, refutou a possibilidade de que a autoria do homicídio já tenha sido descoberta.

"Não cabe dizer que já sabe, mas não tem prova. Ou eles sabem e têm provas para isso ou eles não sabem", disse Freixo, comentando notícias veiculadas na imprensa de que a cúpula de Intervenção Federal na Segurança Pública do Rio de Janeiro já saberia quem são os criminosos, mas ainda não teria provas robustas.

+ Renan Calheiros sai em defesa de João de Deus: 'Não é um Abdelmassih'

Segundo o parlamentar, o crime ocorreu porque Marielle contrariou interesses. Ele disse que o PSOL vem acompanhando as investigações até onde o sigilo permite. "Foi um grupo político que matou Marielle. Um grupo político poderoso e precisamos saber que grupo político é esse. Se não for esclarecido, novos parlamentares, juízes, promotores, jornalistas podem ser assassinados. Por isso esse caso é tão emblemático, é tão grave", disse Freixo.

A hipótese de crime político orienta a principal linha de investigação. Em agosto, o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, chegou a dizer que “agentes do Estado” e “políticos” estão envolvidos no crime. Na ocasião, ele também admitiu dificuldades nas apurações.

Além de Marielle, também foi agraciado com a Medalha Tiradentes o ativista Sidney Teles da Silva. Ele é ex-diretor-geral do Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase), órgão do governo estadual voltado para a execução das medidas socioeducativas preconizadas pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Nos últimos dez anos, Sidney atuou na Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Alerj como assessor parlamentar de Freixo, onde também trabalhou junto com Marielle.

A entrega das medalhas ocorreu a mesma data em que se celebra o Dia Internacional dos Direitos Humanos. As homenagens foram feitas durante a última sessão da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania em 2018.

Na ocasião, também foi apresentado um balanço dos trabalhos dos últimos dez anos da comissão, junto com uma cartilha que traz informações sobre os direitos humanos, estatísticas e alguns relatos de casos atendidos. Do início de 2009 a junho deste ano foram feitos 5.858 atendimentos. Foi apresentado ainda o relatório da Subcomissão da Verdade na Democracia: Mães de Acari, que investigou violações de direitos humanos no Rio de Janeiro entre 1988 e 2018.

A sessão foi também a última presidida por Marcelo Freixo, que assumirá mandato de deputado federal no próximo ano. Ele está à frente da comissão desde 2009. Seu partido tem um nome para disputar a sucessão: Renata Souza, uma das três ex-assessoras de Marielle  que foram eleitas deputadas estaduais. A bancada do PSL, legenda do presidente eleito Jair Bolsonaro, sinalizou a intenção de indicar um parlamentar para disputar o posto. Com informações da Agência Brasil. 

Leia também: Centro espiritual de João de Deus poderá ser interditado

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório