Meteorologia

  • 23 JULHO 2019
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Copacabana tem 'sobreviventes' da festa da virada apesar de muito lixo

São mais de dez horas nas areias do maior Réveillon do país, e eles não têm hora para voltar para casa

Copacabana tem 'sobreviventes' da festa da virada apesar de muito lixo
Notícias ao Minuto Brasil

13:32 - 01/01/19 por folhapress

Brasil adeus 2018

Os sobreviventes da festa da virada na praia de Copacabana, na zona sul do Rio, atestam: só vão embora quando a cerveja acabar. São mais de dez horas nas areias do maior Réveillon do país, e eles não têm hora para voltar para casa.

Mesmo com a grande quantidade de lixo espalhada pela praia ainda por volta das 9h30 do primeiro dia do ano, eles aproveitam o sol escaldante enquanto os termômetros marcam 30ºC. São turistas e também moradores de regiões distantes da zona rica da capital.

"Meu objetivo foi alcançado, ver o nascer do Sol", diz a auxiliar de escritório Luiza Fortuna, 28, com um sorriso de orelha a orelha enquanto deixa a praia, carregando seu cooler azul e desviando das garrafas de plástico no chão. Ela mora na zona norte carioca e vai embora de metrô, já que os cartões especiais de Ano Novo para entrar e sair da região já não são mais obrigatórios. 

+ 52 apostadores vencem Mega da Virada; cada um receberá R$ 5,8 milhões

Rejane Costa, 29, técnica de enfermagem de Duque de Caxias (região metropolitana do Rio), conta que é o quarto ano seguido que passa a virada em Copacabana. Os dois engradados de cerveja que cada um do grupo de oito pessoas levou ainda não acabaram, então eles ainda aproveitam a praia ao som do funk na caixinha de som. 

O trio de mineiros Guilherme Ribeiro, 23, Lucas Ribeiro e Jenifer Alves, 24, usam a sombra de uma árvore na orla para se trocar enquanto esperam o horário do ônibus para voltar a Belo Horizonte. Decidiram fazer a viagem de última hora e, para se banhar nos últimos dois dias, usaram as duchas da areia e o próprio mar.

"Valeu muito a pena, mesmo sem dormir. Senão era ficar em casa em BH", diz Jenifer já de óculos escuros, passando um produto para deixar os cabelos limpos num banco da orla.  A gari Mônica Siqueira, 34, esfrega a testa com o antebraço enquanto varre as ruas próximas à praia que recebeu 2,5 milhões de pessoas entre esta segunda (31) e terça (1º). "Tá brabo", desabafa ao varrer as calçadas à espera do caminhão que vem recolher a sujeira.

O camelô Jorge Félix Filho, 37, já tem os olhos quase fechados aguardando os visitantes. "É 15 reais a cadeira", ainda responde a uma cliente com o mesmo entusiasmo da primeira noite, mesmo há dois dias sem dormir segundo ele.

Moradores da Baixada Fluminense, Thaís Bartals, 22, e o grupo de amigos usaram a antiga tática da "cabaninha" para colocar o biquíni de manhã. Eles aproveitam a estrutura de uma quadra de vôlei de praia para continuar as doze horas de festa. "Vamos ficar até cansar", diz. Com informações da Folhapress.

Campo obrigatório