Meteorologia

  • 19 OUTUBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Promotoria pede retirada urgente de bens históricos em Barão de Cocais

Entre eles estão igrejas setecentistas e o sítio arqueológico de Gongo Soco

Promotoria pede retirada urgente de bens históricos em Barão de Cocais
Notícias ao Minuto Brasil

21:34 - 08/02/19 por Folhapress

Brasil Minas Gerais

A mineradora Vale foi acionada pelo Ministério Público de Minas Gerais para que retire, em caráter de urgência, todos os bens históricos móveis existentes na área que possa ser atingida por um possível rompimento da barragem Gongo Soco, no município de Barão de Cocais, na região do Quadrilátero Ferrífero de Minas Gerais.

O Iepha (Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais) lista 18 bens históricos e arqueológicos tombados pelo município, estado ou União em Barão de Cocais. Entre eles estão igrejas setecentistas e o sítio arqueológico de Gongo Soco. Este último trata-se do que restou da antiga vila de arquitetura inglesa construída no início do século 19.

+ MP quer impedir nova barragem da Vale em Minas Gerais

No princípio dos oitocentos, ingleses compraram a mina de ouro de Gongo Soco e ali erigiram a vila, com cemitério particular e hospital, que ainda restam no local. O conjunto das ruínas é tombado pelo Iepha desde 1995.

A recomendação de retirada dos bens históricos foi expedida pela Promotoria Estadual de Defesa do Patrimônio Cultural e pela Promotoria de Barão de Cocais. A recomendação também cobra que os bens resgatados sejam transportados em condições de segurança e guardados em locais indicados pelo instituto.

A orientação foi feita em função do plano de emergência acionado na madrugada desta sexta-feira (8) devido ao risco de rompimento da barragem Gongo Soco, de propriedade da Vale. Há três anos, a vila histórica de Bento Rodrigues, em Mariana, foi arrasada pela lama do rompimento da barragem de rejeitos da mineradora Samarco, controlada pela Vale e pela BHP. Além das vidas perdidas, a igreja matriz da vila foi destruída sem que imagens sacras e outros bens móveis pudessem ser salvos. Com informações da Folhapress.

Campo obrigatório