Meteorologia

  • 23 AGOSTO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

'Me imaginei no tatame', diz menina que lutou com agressor em Suzano

Rhyllary de Sousa, 15, diz que usou jiu-jítsu ao se defender e que vai continuar na escola

'Me imaginei no tatame', diz menina que lutou com agressor em Suzano
Notícias ao Minuto Brasil

05:36 - 19/03/19 por Folhapress

Brasil Ataque em escola

DHIEGO MAIA - SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - "A cada cinco minutos, ouço um: 'eu te amo' em casa. Com tanto carinho assim eu sei que esse trauma vai passar rápido."

Seguir em frente é o maior desafio da estudante Rhyllary Barbosa de Sousa, 15. Ela é uma das estudantes que escapou do massacre que deixou 8 mortos e 11 feridos na Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano (Grande São Paulo).

+ Após massacre, escola Raul Brasil volta a receber alunos nesta terça

Rhyllary lutou com um dos responsáveis pelo ataque e abriu a porta do colégio que permitiu a fuga de uma dezena de colegas em meio ao ataque.

Naquele 14 de março, minutos antes do atentado, Rhyllary tomava café da manhã no intervalo das aulas acompanhada de uma amiga na cantina da Raul Brasil. Quando ouviu o barulho que logo reconheceu ser de tiros, a menina pensou rápido.

"Corri para o refeitório, pulei um murinho e me abaixei para me esconder. Tinha muita gente comigo. Mas ali, daquele jeito, estávamos numa posição bem desfavorável", conta.

"Eu estava assustada, mas busquei uma força que não sei de onde veio, me levantei e disse para todo mundo: vocês precisam tomar coragem. Se a gente ficar parado aqui, vai ser muito pior."

Foi a partir daí que Rhyllary liderou uma corrida pela sobrevivência na escola sob ataque. Confiantes que sairiam ilesos, os colegas da menina a seguiram. O plano era deixar o colégio pela porta da frente.

Mas havia um agressor no meio do caminho. A poucos metros do portão, a menina deu de cara com Luiz Henrique de Castro, 25, que invadiu a escola minutos depois do primeiro comparsa, o ex-aluno da Raul Brasil Guilherme Taucci Monteiro, 17.

Guilherme já havia matado a tiros a coordenadora pedagógica Marilena Umezu, 59, no saguão e continuava a atirar.

Rhyllary e seu grupo saíram ilesos dos ataques de Guilherme. No saguão, a menina encontrou Luiz atrapalhado com suas armas -machadinha e uma besta (espécie de arma medieval que lança flechas) espalhadas pelo chão.

Foi ali que Rhyllary foi pega por Luiz. Ele a segurou pelos braços, desferiu socos e tentou derrubar a menina no chão. Mas ela resistiu. "Eu me imaginei no tatame e não deixei ele me derrubar", conta.

Rhyllary colocou em prática as técnicas de jiu-jítsu que aprendeu em um projeto social que ensina a arte marcial para crianças de baixa renda em Suzano. "Ele [Luiz] ficou muito surpreso com a minha força", disse.

Angelo Máximo Leite de Oliveira, 36, professor de jiu-jítsu de Rhyllary, diz que o evento tornou a garota conhecida entre os alunos do Projeto Bonsai. "Ela tem um diferencial dentro do tatame. Além de muito disciplinada, treina com homens de até 110 kg de igual para igual", diz ele.

Segundo o professor, a menina agiu de forma correta, mesmo sob grande estresse. "No momento em que ela foi segurada, permaneceu com a perna afastada em relação ao atirador e, assim, criou uma base para se defender", disse.

Já livre, Rhyllary escancarou o portão do colégio, saiu correndo e abriu passagem para colegas. Já fora do colégio, buscaram socorro para os que ficaram presos.

Um dos que saiu pelo portão nesse momento foi José Vitor Lemos, 19, ferido por Luiz com uma machadinha. A força do golpe deixou o objeto cravado no ombro da vítima.

Rhyllary conta que viu o colega pedir socorro na rua e o levou até o hospital Santa Maria. "Ele falava toda hora que iria morrer", relembra. José passou por cirurgia e recebeu alta médica no último sábado (16).

O terror só terminou, conta a estudante, quando ela foi até uma distribuidora de água e pediu um telefone para avisar a mãe que ela estava viva e que precisava de ajuda. "Eu gritava, não conseguia explicar nada para ela. Foi horrível", conta.

A estudante passou o resto daquela quarta-feira na casa de um irmão em Poá, na Grande São Paulo. Pela televisão, foi entendendo o que de fato aconteceu na escola que frequentava há três anos. "O momento mais difícil foi quando saiu a lista dos mortos. Eu não acreditei quando vi que o Kaio entre as vítimas. Era um grande amigo, um menino do bem", afirma.

Rhyllary diz que precisa encarar a tragédia de frente. Tem frequentado os cultos da igreja Assembleia de Deus e quer voltar ao jiu-jítsu, esporte que abandonou porque não tinha dinheiro para pagar o transporte entre sua casa e o local dos treinos.

Neste domingo (17), também esteve na escola Raul Brasil, onde orou pelas vítimas e agradeceu estar viva. "Quando eu me aproximei do colégio, senti um arame farpado sendo enrolado no meu coração tamanha foi a angústia. E acho que vai ser assim por muito tempo. A gente sabe que a escola nunca mais será a mesma. Nós não somos mais os mesmos."

Rhyllary diz que pensou em deixar a Raul Brasil após o massacre, mas ouviu um apelo dos amigos para ficar. "A hora é de darmos as mãos. Não vou abandonar essa luta." A jovem tem mais dois anos pela frente até concluir o ensino médio.

Sobre ser chamada de heroína, a menina prefere dividir o título. "Eu sou uma sobrevivente como qualquer outro aluno. Eu me destaquei pela minha coragem. Mas a Raul Brasil tem gente mais corajosa e que fez muito naquele dia. Os heróis dessa tragédia também são o professor Agnaldo e a merendeira Silmara, que também ajudaram a salvar muita gente."

Campo obrigatório