Meteorologia

  • 06 JUNHO 2020
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Cooperação, não competição: diz Mario Sergio Cortella

Em "A Diversidade: Aprendendo a Ser Humano", o famoso filósofo contemporâneo, escreve sobre temas como preconceito e a intolerância para reafirmar a importância da união em tempos de segregação

Cooperação, não competição: diz Mario Sergio Cortella
Notícias ao Minuto Brasil

19:45 - 14/05/20 por Notícias Ao Minuto Brasil

Cultura LIVRO-LANÇA

"As grandes conquistas da nossa espécie se deram pela cooperação, não pela competição". Essa frase é um dos ensinamentos que o professor e palestrante Mario Sergio Cortella apresenta no livro A Diversidade: Aprendendo a Ser Humano. Publicada pelo selo Littera da editora 3DEA, a obra traz uma importante discussão sobre os reais impactos na estrutura da sociedade atual, como a intolerância, polarização, hostilidade e o desprezo como objetos de estudo.

Leitura indispensável na era de excesso de informações, opiniões divididas e pouca aceitação, o filósofo explica conceitos básicos para a construção do coletivo saudável. Por meio de estudos, o autor aborda os sintomas que estão presentes em nosso cotidiano e que abalam o convívio saudável de uma sociedade. Pequenas atitudes que se transformam em preconceito, como olhar o outro, mas como estranho, intruso e muitas vezes, como inferior. 

Com total clareza, Cortella também explica as diferenças entre reconhecer e tolerar, conflito e confronto, divergir e anular e o que faz dessas opiniões gatilhos de preconceito e atos de violência.

“Durante muito tempo, nós vivemos em uma sociedade na qual o conflito — na família, na escola, na rua — fez parte do nosso dia a dia. Pouco a pouco, em várias instâncias sociais, inclusive na escola, fomos substituindo a noção de conflito pela quase glorificação do confronto. Nessa hora, sim, nós perdemos a paz. ” 

O filósofo também ressalta que o preconceito abstrai a capacidade de conviver, de refletir, de fazer melhor, de inovar e de partilhar. Mostra ainda que algumas amarras devem ser desfeitas, como recusar o biocídio e seguir na busca de uma vida coletiva que reconheça concretamente a beleza na diversidade, a complementaridade na diferença, a riqueza na pluralidade.

A obra foi reformulada para realidade dos tempos atuais.

Campo obrigatório