Meteorologia

  • 12 NOVEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Lobby conservador barra livros nos Estados Unidos

Ativistas norte-americanos denunciam censura a obras em bibliotecas e escolas do país

Lobby conservador barra livros nos Estados Unidos
Notícias ao Minuto Brasil

16:53 - 21/01/18 por Folhapress

Cultura censura

Quando ameaçou barrar a publicação de um livro recente que retrata sua Casa Branca como um circo de idiotas, o presidente Donald Trump estava em total sintonia com uma onda de censura que vem abalando o hábito de ler nos Estados Unidos.

Das dez publicações na mira de grupos conservadores descontentes com obras sobre minorias religiosas, étnicas e sexuais, cinco chegaram a ser removidas de bibliotecas e escolas do país em 2017, o maior índice registrado em tempos recentes.

Esse dado alarmante será alvo de um relatório que a Associação Americana de Bibliotecas vai publicar em abril, ao lado de uma lista das dez obras mais perseguidas no primeiro ano de Trump -"Fogo e Fúria", o livro de Michael Wolff (foto) que desanca o presidente, deve estar nela.

+ Polêmico livro sobre Donald Trump pode virar série de TV, diz revista

Uma população mais vulnerável, porém, sofre de outra forma os efeitos de uma censura silenciosa. Os 2,3 milhões de detentos em prisões americanas têm cada vez menos acesso a livros.

Nas últimas semanas, vieram à tona notícias de obras vetadas, entre elas best-sellers, dicionários e clássicos da literatura, em presídios de Nova York, Nova Jersey, Texas, Carolina do Norte e Flórida. Grupos de defesa dos direitos humanos dizem que há restrições a livros específicos em pelo menos 40 dos 50 Estados americanos.

Não há uma relação oficial de obras banidas nem critérios claros que levariam à proibição de um título. Em geral, presídios alegam questões de segurança para vetar um volume -por exemplo, livros que ensinem a destrancar fechaduras, construir bombas e até manuais de luta e artes marciais.

Mas outra tendência chama a atenção. Uma série de vetos recentes passam longe de preocupações com a prevenção de fugas ou rebeliões nos presídios e têm como base motivos ideológicos, em especial as questões raciais.

"Vivemos em tempos de censura cada vez maior", diz James LaRue, chefe do setor que monitora livros banidos dentro da Associação Americana de Bibliotecas. "Livros escritos por minorias são os mais perseguidos."

No centro da discussão está "The New Jim Crow", de Michelle Alexander, sobre distorções do sistema jurídico e prisional americano que fazem dos negros um contingente desproporcional da população carcerária -eles são detidos com frequência cinco vezes maior do que os brancos nos EUA.

Vetada e depois liberada em Nova Jersey, a obra continua proibida aos presos da Flórida e da Carolina do Norte. Um porta-voz dos presídios desse último Estado disse que o livro foi banido porque pode "provocar confrontos entre grupos raciais".

Autoridades em alguns presídios estão determinadas a manter as pessoas que trancam em jaulas o mais ignorantes possível sobre as forças raciais, sociais e políticas que fazem dos Estados Unidos a nação mais punitiva do mundo", disse ao "New York Times" Alexander. "Talvez temam que a verdade possa libertar esses cativos."O motivo das proibições, de fato, parece sempre arbitrário. Enquanto a obra de Alexander entrou para as listas de censura, livros de David Duke, um dos mentores do Ku Klux Klan, e "Minha Luta", de Adolf Hitler, circulam em presídios americanos.

No Texas, onde 10 mil obras são vetadas, a situação é ainda mais curiosa. Livros de arte são quase todos proibidos porque caem na categoria de "imagens de sexo explícito" e até best-sellers como "A Cor Púrpura" e clássicos como os sonetos de amor de William Shakespeare não passam pelo crivo dos vigias.

"Eles barram até dicionários", diz Amy Peterson, da Books Through Bars, ONG que envia cerca de 700 livros por mês a presídios no país.

"Pedimos uma lista dos banidos, mas eles nunca respondem. Não querem chamar a atenção para o fato de as restrições serem aleatórias. Muitas vezes é o cara que cuida da correspondência que decide sozinho o que vetar." Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório