Meteorologia

  • 27 MAIO 2018
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Cannes: filme sobre guerrilheiras anti-Estado Islâmico divide críticos

A obra veio à mostra de cinema carregada de potencial a sair os anseios de movimentos feministas

Cannes: filme sobre guerrilheiras anti-Estado Islâmico divide críticos
Notícias ao Minuto Brasil

11:42 - 13/05/18 por Folhapress

Cultura festival

GUILHERME GENESTRETI - Uma das maiores apostas de prêmio nesta edição do Festival de Cannes, o filme de cores feministas "Les Filles du Soleil" ('As Filhas do Sol', em tradução livre), da francesa Eva Husson, decepcionou a crítica - ou melhor, aquela assinada por homens. 

A obra veio à mostra de cinema carregada de potencial a sair os anseios de movimentos feministas, que explodiram com força neste ano. Mas sua abordagem tida como algo ingênua não comoveu a imprensa especializada - de composição majoritariamente masculina. "Les Filles..." narra a incursão de uma correspondente de guerra francesa (Emmanuelle Bercot) entre as fileiras de um time de guerrilheiras curdas que lutam contra um grupo extremista inspirado no Estado Islâmico. 

+Marcha no tapete vermelho de Cannes pede igualdade de gêneros no cinema

A frente de combatentes é formada apenas por mulheres, a maioria delas sobreviventes dos massacres e abusos sexuais cometidos pelos radicais muçulmanos. A líder é Bahar (Golshifteh Farahani, de "Paterson"), que teve pai e marido assassinados pelos terroristas, e o filho pequeno, capturado. Ela também foi escrava sexual dos agressores, mas decide se vingar juntando-se a um grupo de guerreiras "empoderadas" que bradam "Mulheres, Vida e Liberdade" antes de disparar rajadas contra os homens.

É uma obra que tem, portanto, o receituário completo para criar empatia em tempos de #MeToo e Time's Up. Não à toa, foi antes de sua sessão que a atriz Cate Blanchett liderou uma marcha de 82 mulheres no tapete vermelho.Husson é uma das únicas três diretoras mulheres entre os 21 selecionados em Cannes neste ano. O que pode pesar contra "Les Filles...", entretanto, é a forma como conduz a história.

As cenas de ação seguem o manual surrado do gênero de câmera na mão e cortes bruscos. Já as falas saem como se fossem discursos engajados, cheios de frases de efeito e tons épicos. A história também inclui a manjada cena de parto durante tiroteio pesado e apelos para que a jornalista "escreva A verdade". 

Crítico da revista Variety, Jay Weissberg, chamou o filme de um "drama pedante e carregado de senso comum". Para Jordan Mintzer, da Hollywood Reporter, o filme acaba com a sensação de que "perdeu a batalha". Peter Bradshaw, do jornal inglês The Guardian, apontou aspectos positivos, mas afirmou que falta sutileza e sobra ingenuidade na obra.   

Rara mulher entre os resenhistas, Sharon Waxman, do The Wrap, gostou de "Les Filles". "Alguns podem achar manipulador o uso da música estrondosa. Outros vão acha-la o perfeito contraponto à pesada emotividade. Mas a emoção é conquistada de forma honesta. [...] O filme não pode exagerar os horrores que mulheres naquela parte do mundo viveram." Com informações da Folhapress. 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório