Meteorologia

  • 20 SETEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Após polêmica, Prêmio Jabuti não mudará regras, diz organização

Edição deste ano terá apenas 18 categorias, contra as 39 que existiam até o ano passado

Após polêmica, Prêmio Jabuti não mudará regras, diz organização
Notícias ao Minuto Brasil

21:20 - 18/06/18 por Folhapress

Cultura literatura

A CBL (Câmara Brasileira do Livro), entidade que organiza o Prêmio Jabuti, afirmou nesta segunda-feira (18) que não alterará o regulamento de 2018 para atender às demandas de profissionais da literatura infantil e juvenil, que pediam a volta do antigo formato do troféu.

Em carta enviada a escritores, ilustradores, especialistas e promotores do segmento, o presidente da organização, Luís Antonio Torelli, escreveu que as modificações sugeridas por eles se mostraram tecnicamente inviáveis.

O motivo informado é que já existe uma plataforma digital pensada desde 2017 e criada pelo prêmio para receber inscrições. Uma das principais alterações -um antigo pleito de grande parte dos concorrentes- é que os livros agora podem ser inscritos digitalmente, via site, sem necessidade de envio de volumes impressos, o que barateia os custos.

"O Prêmio Jabuti seguirá conforme idealizado, preservando a integridade do sistema operacional e, principalmente, em respeito às obras já inscritas mediante o aceite dos participantes ao regulamento anunciado em maio de 2018", diz a carta.

Desde a divulgação das regras para a edição deste ano, um mês atrás, autores de livros voltados a crianças e jovens têm protestado contra a decisão da CBL de unir as categorias de literatura infantil e juvenil em uma só. Outra mudança proposta pelo Jabuti para 2018 e que gerou revolta no meio foi o fim da categoria de ilustração infantil.

Segundo a organização, a redução das categorias do troféu literário -agora são 18, em contraste com as 39 que existiam até 2017- serve para tornar o prêmio mais enxuto, relevante e competitivo. "Todo mundo ganhava, tinha aquela cerimônia longa", disse Luiz Armando Bagolin, então curador do prêmio, à época do anúncio das mudanças.

No entanto, para escritores, pesquisadores e artistas do meio infantil e juvenil ouvidos pela reportagem, livros para crianças e para adolescentes têm objetivos, formatos e públicos distintos, não podendo ser julgados a partir dos mesmos critérios.

"Enquanto a literatura para crianças é essencialmente imagética, os livros voltados a adolescentes introduzem diferentes gêneros literários e demandam repertório", afirmou à reportagem Cristiane Ruiz, editora da Intrínseca.

Além disso, segundo críticos, o fim da categoria de ilustração infantil no prêmio volta a colocar a imagem em função da palavra, e não como linguagem em si.

+ Documentário sobre o Sepultura será lançado no Dia Mundial do Rock

Em 2017, o vencedor do Prêmio Jabuti na categoria literatura infantil foi o livro ilustrado "Drufs", de Eva Furnari, que conta histórias de família de crianças. Já o primeiro lugar na categoria juvenil foi "Dentro de Mim Ninguém Entra", ficção sobre sonho e angústia inspirada na vida do artista Arthur Bispo do Rosário.

Após a elaboração de uma carta-manifesto com pedidos para rever as mudanças, que teve assinatura de mais de 360 pessoas, profissionais do meio literário infantil e juvenil conseguiram uma reunião com a CBL no dia 9 de junho. Até a divulgação da carta na tarde desta segunda (18), no entanto, a possibilidade de revisão do regulamento pelo Jabuti ainda era incerta.

DISCUSSÃO

A disputa pelo formato que deveria ter o Jabuti ganhou novo episódio na última sexta (15), quando o então curador do prêmio, Luiz Armando Bagolin, renunciou ao cargo após polêmica em que se envolveu com autores nas redes sociais.

Na última terça-feira (12), após a reunião com a CBL, o promotor cultural Volnei Canônica escreveu, no site especializado em mercado editorial PublishNews, coluna em que criticava a nova formulação do prêmio, a fim de pressionar a organização para atender às demandas dos artistas.

Em resposta, Bagolin comentou que Canônica, na verdade, procurava promover o trabalho de seu marido, o autor e ilustrador de livros infantis Roger Mello. Segundo o então curador, conforme reafirmou em sua carta de renúncia, há quem esteja protestando contra o prêmio para defender interesses pessoais.

O comentário foi considerado irônico e homofóbico por profissionais do meio literário, o que desgastou o debate e gerou manifestações de indignação contra Bagolin e o próprio Jabuti. O curador foi criticado por ter extrapolado as questões do prêmio e desviado a discussão para assuntos de âmbito pessoal.

"[O comentário] indica que há falta de diálogo e de argumento técnico para defender as mudanças", afirmou a professora e pesquisadora de literatura infantojuvenil Graça de Castro.

"Não é uma questão pessoal, mas coletiva", reiterou Canônica.

Bagolin disse que não é homofóbico. Escreveu o comentário por ter considerado a crítica de Canônica um ataque ao troféu e à conversa que disse que vinham travando desde a reunião.

Segundo ele, a renúncia foi feita para deixar a CBL mais à vontade para defender ou não o formato do Jabuti que ajudou a formatar. Agora, diz que está "em paz com a consciência e a decisão".

Volnei Canônica diz que continua afirmando que a atual edição do Jabuti desvaloriza a literatura para jovens leitores. "O impacto é muito negativo para uma área fundamental não só para o mercado editorial, mas principalmente para a formação de um país mais tolerante e igualitário", afirma.

Ele diz acreditar que autores continuarão a mostrar descontentamento e que a discussão ganhará espaço em eventos literários e nas redes sociais. Junto com brasileiros, autores estrangeiros também têm criticado o prêmio na internet. "Estão perplexos que isso possa acontecer com um país que é referência internacional nessa área [a infantojuvenil]", diz o promotor.

A CBL não descarta, no entanto, a possibilidade de rever as mudanças nas próximas edições. "Embora constatada a impossibilidade de implementação de sugestões para esta edição, todas as propostas apresentadas serão consideradas no momento do desenho do regulamento de 2019", diz.

Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório