Meteorologia

  • 13 DEZEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Movimento feminista italiano homenageia Maria Schneider

Atriz ficou marcada por cena de abuso em "Último Tango em Paris"

Movimento feminista italiano homenageia Maria Schneider
Notícias ao Minuto Brasil

21:52 - 26/11/18 por Ansa

Cultura Cinema

O movimento feminista italiano "Non una di meno" ("Nem uma a menos") usou seu perfil no Twitter para homenagear a atriz francesa Maria Schneider (1952-2011), protagonista de "O Último Tango em Paris", filme mais conhecido do cineasta Bernardo Bertolucci, morto nesta segunda-feira (26), aos 77 anos.

No longa, o astro Marlon Brando usa um pacote de manteiga para estuprar a personagem vivida por Schneider, então com 19 anos. Em entrevista concedida em 2013, Bertolucci admitiu que o detalhe da manteiga havia sido combinado com Brando apenas na manhã do dia da gravação e que a atriz não sabia.

+ Bertolucci estava escrevendo um roteiro, diz ex-assistente brasileiro

"Cumplicidade entre machos, opressão física e psicológica, abuso de poder... A história da cena de 'Último Tango em Paris' é a de um estupro. Hoje lembramos Maria Schneider, que ficou marcada para sempre por aquela violência", diz um post do movimento feminista, que anexou a entrevista do cineasta.

Mais recentemente, Bertolucci explicou que queria obter uma "reação espontânea" de Schneider ao uso da manteiga. Depois de "O Último Tango em Paris", a francesa não filmou mais nenhuma cena de nudez e sofreu com o vício em drogas e a depressão. Em 2007, quatro anos antes de morrer, ela confessou ter se sentido "humilhada e violentada" por Bertolucci e Brando.

No vídeo de 2013, o cineasta diz que queria a reação de Schneider como "mulher" e que ela se sentisse "humilhada", acrescentando que foi "horrível" não ter explicado a cena para a atriz, mas sem admitir qualquer arrependimento.

"O Último Tango em Paris", de 1972, é o filme mais polêmico de Bertolucci e chegou a ser recusado pela produtora Paramount e pelos atores Dominique Sanda, Jean-Louis Trintignant, Alain Delon e Jean-Paul Belmondo por sua alta carga erótica.

Sucesso de público, o longa também causou escândalo e foi censurado na Itália entre 1976 e 1987, quando voltou aos cinemas com salas lotadas. (ANSA)

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório