Meteorologia

  • 16 DEZEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Itaú devolve obras que haviam sido roubadas da Biblioteca Nacional

As quatro obras haviam sido vendidas ao Itaú Cultural pelo colecionador Ruy Souza e Silva

Itaú devolve obras que haviam sido roubadas da Biblioteca Nacional
Notícias ao Minuto Brasil

16:41 - 03/12/18 por Folhapress

Cultura crime

O Instituto Itaú Cultural devolveu nesta segunda-feira (3) mais quatro obras raras que haviam sido furtadas da Biblioteca Nacional em 2004 e que estavam em sua coleção Brasilianas na avenida Paulista.

As peças são a litografia "Rio de Janeiro Pitoresco" (1842-1845), de Buvelot e Moreau, e três desenhos que retratam a Amazônia, feitos entre 1865 e 1868, por Keller-Leuzinger.

As quatro obras haviam sido vendidas ao Itaú Cultural pelo colecionador Ruy Souza e Silva, que ajudou a formar a coleção e é ex-marido de Neca Setubal, herdeira do banco.

+ PF interroga suspeito de furtar obras furtadas da Biblioteca Nacional

Souza e Silva também havia vendido as oito gravuras do alemão Emil Bauch que estavam expostas no Itaú Cultural até março deste ano.

Após a Folha de S.Paulo publicar reportagem sobre o assunto, as peças foram periciadas pela Biblioteca Nacional e devolvidas à instituição carioca.

Na ocasião, Souza e Silva afirmou ter comprado os trabalhos da casa de obras raras londrina Maggs Bros., e de ter apresentado os recibos ao instituto.

Contatado novamente por email, o colecionador não respondeu até a publicação desta reportagem.

O caso foi levantado em março pelo próprio ladrão das gravuras, Laéssio Rodrigues de Oliveira, que afirmou em carta à Folha ter roubado centenas de obras da Biblioteca Nacional e de outros museus e de tê-las repassado a colecionadores como Souza e Silva.

Na entrega realizada nesta segunda, o delegado Paulo Teles afirmou que outras instituições prejudicadas devem procurar o Itaú e enviar listas de peças subtraídas. Citou a Biblioteca Mário de Andrade, o Museu Nacional, o Itamaraty, o Jardim Botânico, os arquivos Nacional e da Cidade do Rio, o Museu Histórico Nacional e o Instituto Fiocruz.

"É fundamental que essas instituições, entre outras, façam o mesmo trabalho que a Biblioteca Nacional. Laéssio Rodrigues está colaborando com a gente dizendo onde roubou e onde viu as obras que roubou no passado que expostas hoje", disse o delegado federal Paulo Teles.

É possível que as obras roubadas por Laéssio tenham ido parar em coleções particulares ou mesmo em outras instituições públicas e privadas.

Eduardo Saron, diretor do Itaú Cultural, disse que as 2.800 obras da coleção Brasilianas estão à disposição. "Nós vamos procurar cada instituição listada pelo delegado e oferecer as obras que temos e que batem com roubos de cada uma. Se não tiverem especialistas em seu corpo técnico, podemos fazer uma parceria", afirmou Saron.

Ele e a presidente da Biblioteca Nacional, Helena Severo, estão elaborando, em conjunto, um manual de conduta para a circulação de obras de arte. "Criaremos isso a partir de protocolos internacionais", disse Severo.

A devolução das quatro obras nesta segunda é resultado do trabalho de análise comandado pelo perito Joaquim Marçal.

A partir do cruzamento de centenas de obras furtadas em 2004 e 2005 da biblioteca com as do acervo do Itaú Cultural, o instituto enviou três lotes com 102 itens para o Rio.

A maioria do material teve resultado inconclusivo e 32 foram declarados como definitivamente não pertencentes ao acervo da Biblioteca Nacional. Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório