Meteorologia

  • 16 DEZEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Morre, aos 76, o cineasta Alfredo Sternheim

Sua carreira como cineasta termina, na prática, com "Fêmeas que Topam Tudo" (1987), apesar de ter realizado, em 2014, um episódio de "Memórias da Boca"

Morre, aos 76, o cineasta Alfredo Sternheim
Notícias ao Minuto Brasil

08:33 - 07/12/18 por Folhapress

Cultura luto

Com a morte de Alfredo Sternheim, nesta quinta-feira (6), aos 76 anos, perde-se o cineasta mais associado à era do chamado "cinema Boca do Lixo" paulista.

Melhor chamar, no caso de Sternheim, "cinemas", pois do final dos anos 1960 até a segunda metade dos anos 1980 participou das várias fases em que a produção paulista, após a falência dos grandes estúdios, concentrou-se na rua do Triumpho, em Santa Ifigênia.

Nos anos 60, aprendeu o ofício como assistente de Walter Hugo Khouri em "A Ilha" (1963) e "Noite Vazia" (1964), passando em seguida ao curta-metragem, com trabalhos sobre o artista plástico Flavio de Carvalho e a cidade de São Paulo (onde nasceu em 1942). Parte de sua iniciação se deu, também, como crítico cinematográfico do jornal O Estado de S. Paulo.

Próximo de Khouri e de Ruben Biáfora (como ele, cineasta e crítico), fez sua estreia na direção com "Paixão na Praia" (1971), em que teve Adriano Reis e  Norma Bengell nos papeis centrais. Desde ali já se notava seu engajamento na corrente do cinema brasileiro que se opunha ao cinema novo e se propunha a tratar de temas universais.

Dentro dessa proposta também realizou "Anjo Loiro" (1973), evidente referência a "O Anjo Azul" (1931), de Joseph Von Sternberg e um dos primeiros trabalhos de Vera Fischer como atriz. "Pureza Proibida" (1974) tem como base a peça "A Branca e o Negro", de Monah Delacy, enquanto em "Luciola, o Anjo Pecador" (1975), Sternheim adapta o romance "Luciola", de José de Alencar.

+ Morre Pete Shelley, vocalista dos Buzzcocks

Com o fim da era do INC (e de maior incentivo a adaptações literárias), Alfredo alterna-se entre a comédia e o drama erótico, em filmes como "Herança dos Devassos" (1979, com Sandra Brea), "Corpo Devasso" (1980), "A Prostitutas do Dr. Alberto" (1981), "Amor de Perversão" (1982).

Quando a produção popular sai de cena em favor do filme de sexo explícito, Sternheim acompanha a tendência e filma, entre outros, "Variações do Sexo Explícito" (1984), "Sexo dos Anormais" (1985). Nesse momento entra em polêmica com o crítico Edmar Pereira, do Jornal da Tarde, ao fazer a defesa do cinema de sexo explícito. 

Sua carreira como cineasta termina, na prática, com "Fêmeas que Topam Tudo" (1987), apesar de ter realizado, em 2014, um episódio de "Memórias da Boca". Sternheim continuou a praticar o jornalismo em revistas dedicadas sobretudo ao DVD. Mais recentemente manteve atuação constante no Facebook, onde discutiu desde o custo de produção dos filmes brasileiros atuais (que julga com frequência excessivos), à dificuldade dos filmes nacionais dialogarem com o público em vista da ocupação quase total das salas pelos blockbusters norte-americanos.

Há menos de uma semana recebera a notícia de que seu "Herança dos Devassos" (1979), em que dirigiu Sandra Brea e Roberto Maia, estava disponível em VoD nos canais Now, Vivo Play e Oi Play. Sternheim morreu próximo de suas paixões mais constantes: o cinema e a escrita. Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório