Meteorologia

  • 15 SETEMBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Inadimplência da Caixa vai a 2,46% no 2º trimestre

A carteira habitacional apresentou inadimplência de 1,70% em junho de 2019

Inadimplência da Caixa vai a 2,46% no 2º trimestre
Notícias ao Minuto Brasil

14:00 - 03/09/19 por Estadao Conteudo

Economia Dívidas

A inadimplência da Caixa Econômica Federal, considerando atrasos acima de 90 dias, ficou em 2,46% ao fim de junho, melhora de 0,01 ponto porcentual ante março, quando estava em 2,47%. Em um ano, o indicador teve melhora de 0,04 p.p.

As despesas com Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa, chamadas de PCLD pelo banco, somaram R$ 6,2 bilhões no primeiro semestre de 2019, redução de 12,0% em relação ao mesmo período do ano anterior.

"Essa redução é reflexo do recuo de R$ 12,9 bilhões na carteira de crédito e da mudança em sua composição, mais concentrada em linhas de baixo risco, além de aperfeiçoamento nos processos de cobrança e renegociação de créditos da Empresa", explica a Caixa em relatório que acompanha suas demonstrações financeiras.

A carteira habitacional apresentou inadimplência de 1,70% em junho de 2019, redução de 0,09 p.p. em 12 meses e 0,11 p.p. no trimestre.

Índice de Basileia

O Índice de Basileia da Caixa Econômica Federal, que mede o quanto um banco pode emprestar sem comprometer o seu capital, atingiu 20,29% ao fim de junho, melhora de 1,19 ponto porcentual em um ano. Em relação a março a melhora foi de 0,22 p.p.

Os índices de capital principal, próprio dos acionistas, e de nível I totalizaram 13,9%, mantendo-se acima do mínimo regulatório de 8,0% para o de capital principal, e 9,5% para o índice de capital nível I, conforme o banco.

A Caixa destaca ainda o pagamento de R$ 10,35 bilhões em instrumentos híbridos de capital e dívida (IHCD) ao governo, sendo que R$ 3 bilhões foram transferidos em julho e R$ 7,35 bilhões estão pendentes de autorização do Banco Central. Esses recursos foram aportados na instituição na gestão da ex-presidente Dilma Rousseff para suportar a estratégia de concessão de crédito utilizada na época.

O banco destaca, em relatório que acompanha suas demonstrações financeiras, que, a fim de garantir o cumprimento dos requerimentos mínimos de capital, conforme exigências regulatórias e prudenciais previstas no Acordo de Basileia III, tem implementado medidas para reforço da sua estrutura de capital, como redução de despesas, ajuste dos processos de alocação de capital, utilização da métrica do Retorno Ajustado ao Risco no Capital (RAROC) para gestão da carteira de crédito, ampliação da margem de contribuição dos produtos e serviços, ajuste de benefícios pós emprego para equacionamento do passivo atuarial, disseminação da cultura de risco, entre outras.

Participação do Banco Pan

A participação da Caixa Econômica Federal no Banco Pan (ex-Panamericano) teve valorização de 482% entre dezembro do ano passado e junho deste ano. Passou assim de R$ 700 milhões para R$ 4,3 bilhões.

O aumento ocorreu, conforme explica a Caixa em nota à imprensa, após o exercício da opção de 101 milhões de ações, equivalente a R$ 242 milhões.

O Pan está na lista de desinvestimentos da Caixa na gestão atual. A expectativa é que o banco público se desfaça de sua participação em operação a ser realizada em meio à volta das férias no Hemisfério Norte.

O Banco Pan prepara uma oferta de ações subsequente (follow on) de cerca de R$ 1,5 bilhão. Além dos próprios bancos de investimento dos sócios controladores, o BTG Pactual e a Caixa Econômica Federal, o Pan selecionou como assessores financeiros da operação o Santander Brasil e o Morgan Stanley.

Campo obrigatório