Meteorologia

  • 08 ABRIL 2020
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Trump prevê pacote com envio de dinheiro para enfrentar coronavírus

Integrantes da Casa Branca defendem corte de impostos e ajuda à indústria, enquanto democratas preferem focar na ajuda aos trabalhadores e prestação de serviço de saúde.

Trump prevê pacote com envio de dinheiro para enfrentar coronavírus
Notícias ao Minuto Brasil

16:45 - 17/03/20 por Folhapress

Economia EUA-CORONAVÍRUS

WASHINGTON, EUA (FOLHAPRESS) - O governo Donald Trump anunciou nesta terça-feira (17) que está trabalhando para enviar dinheiro diretamente às famílias americanas como parte de um pacote de estímulo à economia de cerca de US$ 850 bilhões, em uma tentativa de conter o impacto da pandemia do novo coronavírus nos Estados Unidos.

O anúncio marca uma investida mais agressiva da Casa Branca em resposta à crise provada pelo vírus, que já causou o fechamento de escolas, fábricas, bares e restaurantes e atingiu o comércio e os negócios de todo o país.

"Vai ser grande e vai ser ousado", afirmou Trump em coletiva na Casa Branca ao se referir ao pacote que ainda está em negociação no Congresso. Segundo o presidente, porém, há entusiasmo no Legislativo com as medidas.

As discussões ganharam caráter de urgência com a gravidade dada ao cenário econômico pelo próprio presidente. No início da crise, Trump chegou a minimizar as consequências do novo coronavírus mas, em pronunciamento nesta segunda-feira (16), fez um apelo para que americanos ficassem em casa e admitiu a possibilidade de os EUA entrarem em recessão.

O secretário do Tesouro americano, Steve Mnuchin, afirmou que o envio do dinheiro aos americanos pode acontecer em até duas semanas, mas não deu detalhes sobre valores.

Alguns parlamentares, como o senador republicano Mitt Romney, têm discutido o pagamento de US$ 1 mil em dinheiro vivo.

Mnuchin, por sua vez, esteve com Romney nesta semana e disse que essa era "uma das ideias". O secretário, porém, preferiu não se comprometer com números.

A ideia do pagamento direto a cidadãos ganhou apoio de republicanos e democratas e reflete o esforço bipartidário, mesmo em ano de eleição, para tentar vencer a pandemia do novo coronavírus.

Inicialmente, Trump queria fazer algum manejo com os impostos para tentar diminuir as consequências econômicas geradas com a crise, que ataca diretamente o bolso dos americanos.

Nesta terça, porém, o presidente disse que essa medida poderia levar um longo período para gerar resultados. "E queremos fazer algo bem mais rápido do que isso. Então acho que temos maneiras de conseguir dinheiro mais rápido e de um jeito mais assertivo."

O secretário do Tesouro discutirá detalhes do pacote com o Senado americano ainda nesta terça.

Além de enviar dinheiro diretamente aos americanos, a Casa Branca também pretende repassar cerca de US$ 50 bilhões para o setor de empresas aéreas, que vêm sofrendo com as restrições de voos entre países da Europa e dos EUA, por exemplo.

Na semana passada, Trump anunciou a suspensão dos voos que chegam de diversos países da Europa aos EUA como uma maneira de tentar conter o vírus no país -segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), o continente europeu ultrapassou a Ásia como o principal foco da doença.

O banimento das rotas foi visto como a primeira mudança brusca de comportamento de Trump. Em campanha à reeleição, o presidente sabe que uma crise econômica grave neste momento pode minguar suas chances de ser reconduzido à Casa Branca.

Trump tem trabalhado com sua equipe - e pedido colaboração do Congresso- para montar um plano emergencial de ajuda às famílias de classe média e baixa renda, e o pagamento direto aos cidadãos foi a maneira mais rápida que seu governo encontrou de tentar injetar recursos na economia. A Casa Branca também quer incluir no pacote assistência para pequenas empresas e seus funcionários.

"Estamos dando alívio às indústrias e pequenas empresas afetadas e garantimos que emergiremos desse desafio com uma economia próspera e crescente, porque é isso que vai acontecer", disse Trump.

O pacote de US$ 850 bilhões é adicional aos US$ 100 bilhões aprovados pela Câmara na semana passada -também na esteira da crise do coronavírus-, em que estão incluídos licença médica paga, seguro-desemprego e outros benefícios para trabalhadores afetados pela pandemia.

Apesar da promessa de trabalho em conjunto, há pontos de tensão na maneira com que republicanos e democratas preferem conduzir a crise.

Integrantes da Casa Branca defendem corte de impostos e ajuda à indústria, enquanto democratas preferem focar na ajuda aos trabalhadores e prestação de serviço de saúde.

FED VAI COMPRAR DÍVIDA DE EMPRESAS

Em outra medida anunciada para conter os reflexos econômicos do coronavírus, o Fed (banco central americano) disse nesta terça-feira que relançará compras de dívida corporativa de curto prazo. O instrumento foi utilizado na época da crise financeira de 2008 para apoiar os mercados de crédito prejudicados.

Sob o Mecanismo de Financiamento de Papéis Comerciais, usado pela primeira vez em 2008, o Fed comprará dívida corporativa de curto prazo diretamente das empresas que a emitem.

O Fed disse que a medida fornecerá um pano de fundo de liquidez aos emissores norte-americanos de papel comercial através de um veículo para fins especiais que comprará papel comercial não garantido e lastreado em ativos financeiros diretamente de companhias elegíveis.

O mercado de papel comercial é uma fonte importante de financiamento de curto prazo para uma série de negócios, mas a liquidez secou nas últimas semanas.

"Ao eliminar grande parte do risco de que os emissores elegíveis não conseguirão pagar os investidores ao reverter suas obrigações de papel comercial vencidas, esse mecanismo deve incentivar investidores a se envolverem novamente em empréstimos a prazo no mercado de papéis comerciais", afirmou o Fed em um comunicado.

"Um mercado melhorado de papéis comerciais aumentará a capacidade das empresas de manter emprego e investimento à medida que o país lida com o surto de coronavírus", acrescentou o Fed.

Campo obrigatório