Meteorologia

  • 05 JULHO 2020
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Preço do petróleo: Arábia Saudita diz que queda será revertida em breve

Ministro de Energia do país, Khaled al Faleh vê com bons olhos a diminuição da diferença entre a oferta e a demanda do produto

Preço do petróleo: Arábia Saudita diz que queda será revertida em breve
Notícias ao Minuto Brasil

17:43 - 23/10/16 por Notícias Ao Minuto

Economia Otimismo

A diferença entre a oferta e a demanda de petróleo começa a melhorar e leva o ministro de Energia da Arábia Saudita, Khaled al Faleh, a acreditar que a queda dos preços do produto no mercado internacional terminará em breve.

"Estamos otimistas em relação à tendência futura do mercado de petróleo e confiamos que eles melhorarão permanentemente", disse Al Faleh, em entrevista coletiva, acompanhado dos ministros de Energia do Catar, Mohammed Al Sa'adah, e da Rússia, Alexander Novak, após uma reunião do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG) em Moscou.

De acordo com a agência EFE, o ministro saudita disse que o CCG compartilha com a Rússia um ponto de vista comum em relação ao acordo entre os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

No próximo dia 30 de novembro, está previsto que os 14 membros da Opep referendem um congelamento da produção. Nesse sentido, Faleh pediu que a recuperação e o restabelecimento da confiança para conseguir o equilíbrio do mercado seja acelerado.

Já Novak afirmou que a situação do mercado do petróleo está "melhorando lentamente", por isso a Rússia apoia medidas que forem adotadas para promover um maior equilíbrio.Rússia e Opep realizarão uma reunião nos próximos dias para estudar os "meios de reforçar a colaboração, com a finalidade de melhorar os preços do petróleo", disse o ministro.

Sa'adah, por sua vez, avaliou que a atual situação das cotações não encoraja investimentos de longo prazo, por isso todos do setor concordam que é preciso elaborar iniciativas para restabelecer os preços.

Leia também: Produção de petróleo da Rússia dependerá da Opep, diz ministro

Campo obrigatório