Meteorologia

  • 06 JUNHO 2020
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Por 7 votos a 4, STF rejeita possibilidade de 'desaposentação'

Se o recálculo das aposentarias fosse aprovado, estima-se que custaria R$ 181 bilhões para os cofres do INSS nos próximos 30 anos

Por 7 votos a 4, STF rejeita 
possibilidade de 'desaposentação'
Notícias ao Minuto Brasil

18:38 - 26/10/16 por Notícias Ao Minuto

Economia Ilegal

O Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou, em julgamento nesta quarta-feira (26), a possibilidade de uma pessoa aposentada que continua a trabalhar receber pensões maiores com base nas novas contribuições à previdência pública.No entendimento da maioria dos ministros da corte, a Constituição não permite a chamada desaposentação.

Votaram pela tese vencedora Gilmar Mendes, Teori Zavascki, Celso de Mello, Edson Fachin, Dias Toffoli e Luiz Fux. Saíram vencidos Ricardo Lewandowski, Rosa Weber, Marco Aurélio Mello e Luís Roberto Barroso. A presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia, ainda não votou, mas seu posicionamento não alterará o resultado.

De acordo com o G1, para os membros, o sistema previdenciário público no Brasil é baseado no princípio da solidariedade e não há previsão na lei para o acréscimo. Uma mudança do tipo, portanto, só poderia ser estabelecida pelo Congresso e não pelo Judiciário.

O tema começou a ser analisado pela Corte em 2010 e trazia preocupação ao governo pelo impacto nos cofres públicos. Se o recálculo das aposentarias fosse aprovado, estima-se que, a desaposentação custaria R$ 181 bilhões para os cofres do INSS nos próximos 30 anos.

Campo obrigatório