Meteorologia

  • 16 JANEIRO 2018
Tempo
10º
MIN 10º MÁX 10º

Edição

Ministro cita perda de renda em caso de não aprovação da Previdência

Segundo Dyogo Oliveira, caso reforma não seja aprovada, há risco de aumento do desemprego, inflação e taxa de juros

Ministro cita perda de renda em caso de não aprovação da Previdência
Notícias ao Minuto Brasil

11:30 - 13/12/17 por Notícias Ao Minuto

Economia avaliação

Sem a reforma da Previdência, a recuperação da economia pode retroceder e a população será afetada. O alerta foi feito pelo ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira, durante audiência na Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional, nesta terça-feira (12).

+ 'Estamos em um momento crucial e decisivo para o País', diz Meirelles

"No cenário mais elevado [de Risco País], em três anos, cada cidadão brasileiro perderá R$ 4,5 mil de renda. Porque o PIB vai cair. Porque a inflação vai subir. Porque o câmbio vai subir. Porque o desemprego vai aumentar", disse o ministro, lembrando que a reforma será gradual e não irá retirar direitos dos aposentados.

Segundo Oliveira, o desemprego, a inflação e as taxas de juros vão aumentar, caso a Previdência não seja revista. Isso porque há uma crescente cada vez maior dos gastos com aposentadorias e pensões. As conquistas econômicas dos últimos meses, que geraram economia de R$ 87,8 bilhões/ano nos últimos 12 meses, poderão ser perdidas. O ministro alerta, ainda, que a recuperação do emprego, a melhoria das taxas de câmbio e a taxa de juros em 7% ao ano também ficam comprometidas.

"Isso pode mudar muito rapidamente, porque assim como construímos um processo de confiança, ele pode ser destruído. Em poucas decisões equivocadas isso pode mudar completamente. E quem vai pagar a conta? A população brasileira”, apontou o ministro.

Reflexos na economia

De acordo com estudo da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), o Produto Interno Bruto (PIB) de 2018 vai crescer 4% caso a reforma da Previdência seja aprovada, contra 2% no cenário oposto. “Aprovar a reforma ainda este ano, pelo menos na Câmara, é fundamental para o futuro de 2018. Porque se recomeça a ser discutida em fevereiro, com uma eleição no radar, é um primeiro trimestre que já começa bem diferente do que começaria caso a reforma fosse aprovada em dezembro na Câmara”, explicou o economista-chefe da Firjan, Guilherme Mercês.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório