Meteorologia

  • 11 DEZEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

País pode crescer 3% sem alta da inflação, diz Meirelles

Ministro fez declarações durante painel no Fórum Econômico Mundial para a América Latina

País pode crescer 3% sem alta da inflação, diz Meirelles
Notícias ao Minuto Brasil

19:31 - 14/03/18 por Folhapress

Economia previsão

O ministro Henrique Meirelles (Fazenda) disse nesta terça (14) que o crescimento potencial da economia brasileira deve se estabilizar ao redor de 3% ao ano depois que as reformas promovidas pelo governo Michel Temer produzirem efeito.

Esse seria o crescimento possível sem pressões inflacionárias que obriguem o Banco Central a aumentar o juro básico (hoje em 6,75% ao ano) para esfriar a economia.

Em painel no Fórum Econômico Mundial para a América Latina, Meirelles disse que a previsão de crescimento de 3% neste ano com inflação na meta leva em conta a utilização da capacidade ociosa das empresas depois da recente recessão.

Mais à frente, quando essa capacidade estiver ocupada, o efeito das reformas é que deve garantir um crescimento ao redor de 3% sem estouro da inflação. 

Segundo Meirelles, a demografia (com a diminuição de jovens no mercado de trabalho) nos últimos anos teria diminuído o chamado crescimento potencial do Brasil a 2,3%. "Mas reformas como a trabalhista, no ensino médio e a agenda microeconômica aumentaram esse potencial."

+ Temer diz que estuda recorrer à OMC contra tarifa do aço de Trump

COMÉRCIO

O ministro qualificou como "evidentemente negativa" a imposição de tarifas pelo governo de Donald Trump para o alumínio e aço brasileiros, mas disse acreditar que o movimento vai acelerar a busca de acordos do Brasil com outros parceiros.

"Não creio que retaliar seja a melhor coisa a fazer. Estamos esperando para ver o que os EUA propõem em termos de negociação." Para Meirelles, o pior seria o Brasil se fechar. "Nos protegemos por muito tempo e isso não foi necessariamente bom."

Em painel que também discutiu a economia mundial, o ministro disse que sua preocupação é que os bancos centrais das economias desenvolvidas sejam compassivos demais com pressões inflacionárias e mantenham os juros perto de zero por muito tempo. 

E que, depois, sejam obrigados a subir mais rapidamente as taxas para manter os preços sob controle. Ele ponderou que esse risco hoje parece pequeno.

O Fundo Monetário Internacional projeta neste ano em 3,9% o crescimento global, com EUA crescendo 2,7% e a zona do euro, 2,2%.

Hans-Paul Bürkner, presidente do Boston Consulting Group, disse que, embora muitos considerem o crescimento norte-americano e europeu ainda baixo, esse pode ser um novo patamar. 

"O rápido avanço que o mundo teve até antes da crise global de 2008 foi impulsionado por práticas financeiras que geraram a crise. Não devemos comparar algo (o crescimento atual) com o que não podemos repetir", disse.

Outra conclusão do painel é que o crescimento mundial relativamente baixo deve ajudar os principais bancos centrais do mundo a manter as taxas de juro também baixas. 

Isso é importante porque, para resgatar o setor privado da crise de 2008, vários governos se endividaram muito. E suas dívidas sobem quando têm de elevar as taxas de juro.

"A crise anterior foi de endividamento das empresas, mas agora temos muita divida pública. Isso não é um problema desde que as economias cresçam de forma saudável", disse Andrés Velasco, economista e ex-ministro das Finanças do Chile (2006 -2010). Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório