Meteorologia

  • 17 NOVEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Desalento recorde limita alta na taxa de desemprego, diz IBGE

O país encerrou o primeiro trimestre deste ano com 4,6 milhões de pessoas desempregadas

Desalento recorde limita alta na taxa de desemprego, diz IBGE
Notícias ao Minuto Brasil

22:11 - 17/05/18 por Folhapress

Economia mercado

O desalento com o mercado de trabalho bateu recorde e contribuiu para que houvesse redução da taxa de desemprego ao longo dos últimos 12 meses.

O país encerrou o primeiro trimestre deste ano com 4,6 milhões de pessoas nessa condição -aumento de 511 mil no período de um ano. Os dados constam da Pnad Contínua, pesquisa de abrangência nacional do IBGE, divulgada nesta quinta-feira (17).

Pelos parâmetros da pesquisa, o desalento se caracteriza pelo desânimo em procurar emprego.

A pessoa nessa condição já não acredita que tem oportunidades profissionais. E quem desiste de buscar uma vaga deixa não apenas o mercado de trabalho -é excluído também das estatísticas de desemprego. São considerados desempregados apenas quem toma providências para conseguir trabalho.

+ 3 milhões procuram emprego há mais de 2 anos, diz IBGE 

Assim, apesar de o desalento indicar a piora do mercado, ele reduz a pressão na taxa de desemprego do país. No primeiro trimestre deste ano, a taxa de desocupação esteve em 13,1%, contra 13,7% de igual período de 2017.

"A desocupação caiu sim, mas caiu em função de aumento do desalento e aumento da população subocupada", afirmou o coordenador de Trabalho e Renda do IBGE, Cimar Azeredo.

Ao longo do ano passado, o país experimentou a redução gradual das taxas de desemprego, baseada principalmente no aumento de trabalhos informais. O indicador, embora apresentasse melhora estatística, mostrava uma piora na qualidade dos postos de trabalho disponíveis no país, já que o emprego com carteira assinada atingiu níveis historicamente baixos. Havia também aumento da procura, o que ocorre neste ano ainda, mas em menor medida.

Se as pessoas que desistiram de procurar ainda estivessem em busca de oportunidade, a taxa de desemprego no país seria maior, explicou o analista da Tendências, Thiago Xavier.

No intervalo de um ano -entre o primeiro trimestre de 2017 e os três primeiros meses deste ano- 487 mil pessoas passaram à condição de desocupados. Esse contingente de pessoas engrossou, portanto, a fila de emprego em volume proporcional justamente ao das pessoas que deixaram de procurar trabalho (511 mil).

O país encerrou o primeiro trimestre deste ano com 13,6 milhões desocupados. Desse total, 3,035 milhões estão na fila há dois anos ou mais.

"Quanto maior o tempo fora, maior a chance de a pessoa deixar o mercado. Existe o efeito psicológico, que emula bem a questão do desalento, que traduz uma ideia de frustração, mas também tem a questão dos custos, já que existe um nível de gasto para se procurar emprego, como condução, alimentação e impressão de currículos", explica Xavier.

O IBGE mostrou que pretos e pardos são maioria entre os que desistiram de procurar emprego, respondendo por 73,1% do contingente total. A maioria (23,4%) dos desalentados têm entre 18 e 24 anos e 38,4%, têm ensino fundamental incompleto.

Há ainda discrepâncias regionais. As regiões Sudeste e Nordeste bateram, no primeiro trimestre deste ano, recorde na série histórica de pessoas desalentadas. Contudo, os estados do Nordeste somaram 2,8 milhões de pessoas nessa condição, enquanto no Sudeste, são 922 mil.

SUBUTILIZADOS

A Pnad mostrou que a taxa de subutilização da força de trabalho, que inclui os desempregados, pessoas que gostariam de trabalhar mais aqueles que desistiram de buscar emprego, também bateu recorde: chegou a 24,7% no primeiro trimestre.

Ao todo, são 27,7 milhões de pessoas nessas condições, o maior contingente desde o início da série, em 2012. Destes, 13,7 milhões procuraram emprego mas não encontraram.

O restante são subocupados por insuficiência de horas trabalhadas, que são pessoas que trabalham menos horas do que gostariam.

Para Xavier, apesar da melhora dos indicadores de desemprego no ano passado, o mercado ainda resistirá a apresentar melhora consistente.

"As pessoas voltam a procurar emprego quando percebem que a economia está melhor. E para o desemprego melhorar de forma sustentável, precisamos criar vagas para quem está na fila e também para que deixou a fila ou vai ingressar nela em breve, o que não parece ser o cenário que temos à frente", disse. Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório