Meteorologia

  • 18 JULHO 2018
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Banco Central mantém taxa de juros em 6,5% ao ano

A decisão era esperada por 37 dos 38 economistas ouvidos pela agência de notícias Bloomberg

Banco Central mantém taxa de juros em 6,5% ao ano
Notícias ao Minuto Brasil

06:14 - 21/06/18 por Folhapress

Economia sem alteração

O Copom (Comitê de Política Monetária) decidiu manter a taxa básica de juros da economia em 6,50% em reunião encerrada nesta quarta-feira (20), na mínima histórica. A decisão era esperada por 37 dos 38 economistas ouvidos pela agência de notícias Bloomberg. Na última reunião, em maio, o comitê do Banco Central surpreendeu o mercado ao manter a taxa em 6,50% ao invés de reduzi-la, como amplamente esperado.

À época, o BC explicou que o cenário externo se mostrava mais desafiador e apresentava volatilidade. Desde então, o mercado doméstico sofreu com incertezas causadas pela surpresa do Copom e, em seguida, pela paralisação dos caminhoneiros.

As previsões de crescimento da economia neste ano, que há um mês ainda estavam acima de 2%, caíram para 1,76%, segundo estimativas coletadas pelo BC no Boletim Focus. O documento também projetou inflação mais alta, em 3,88%, ainda abaixo da meta de inflação de 4,5% ao ano.

+ Temer diz que Brasil criou 33 mil vagas de emprego em maio

No começo de junho, a disparada do dólar para perto de R$ 4 fez com que o mercado financeiro apostasse em uma alta de juros para conter a valorização da moeda. Os contratos de juros futuros negociados na B3 dispararam. 

Como reação, o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, anunciou intervenção no mercado com a venda de contratos de swap cambial (equivalente à venda de dólar no mercado futuro) e acrescentou que não utilizaria política monetária para controlar o câmbio.O dólar ronda o patamar de R$ 3,75 desde então.

Poupança bate maioria dos fundos

A manutenção da taxa básica de juros em 6,5% ao ano mantém a poupança como um investimento mais atrativo que a maioria dos fundos de investimento de renda fixa, em especial aqueles com taxa de administração mais altas, de acordo com simulações feitas pela Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade).

Nesta quarta (20), o Copom (Comitê de Política Monetária) decidiu reduzir a Selic, em linha com a expectativa do mercado, em um cenário que considera a inflação sob controle e a atividade econômica ainda se recuperando no país. A Anefac estima o rendimento mensal da poupança em 0,37% com a Selic a 6,5% ao ano.

Pelas contas da associação, fundos com taxa de até 0,5% ao ano têm rentabilidade maior que a da poupança, independentemente do prazo de resgate considerado. A caderneta empata com fundos com taxa de 1% ao ano em caso de resgate em até seis meses e perde se o prazo for superior a esse período.

A poupança empata também com fundos com taxa de administração de 1,5% se o resgate for feito entre um e dois anos, e perde se o dinheiro for sacado acima de dois anos. Já fundos com taxas iguais ou superiores a 2% ao ano perdem para a caderneta independentemente do prazo considerado. Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório