Meteorologia

  • 19 SETEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Diretor de sindicato acusa entidade de reter indenização

Após 21 anos de disputa judicial

Diretor de sindicato acusa entidade de reter indenização
Notícias ao Minuto Brasil

08:40 - 14/09/18 por Folhapress

Economia são paulo

Em outubro de 2017, após 21 anos de disputa judicial, chegou aos cofres do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes a quantia de R$ 3,16 milhões para pagamento de indenização trabalhista a José Carlos de Almeida Saraiva, 62.

Só que, quase um ano depois, o dinheiro ainda não parou na sua conta.

Seu Almeida entrou com uma ação em 1996, após 20 anos de trabalho na Sociedade Técnica de Fundições Gerais, por problemas auditivos. O dinheiro -cujos valores históricos somavam R$ 1,8 milhão- foi depositado em 2009 e, finalmente, liberado no ano passado. Mas o metalúrgico nunca foi informado pelo sindicato.

Na semana passada, ao receber o ex-deputado Luiz Antonio de Medeiros em sua casa, no Jaraguá, o metalúrgico comemorou a chegada de uma boa notícia.

Seu Almeida é um dos 61 diretores do sindicato –com direito a salário que varia de R$ 10 mil a 12 mil, além de dois funcionários e um carro.

"A boa notícia é que o dinheiro foi depositado [na conta do sindicato]. A má é que o sindicato não te pagou", respondeu Medeiros, segundo seu próprio relato.

"Fiquei surpreso. Nunca imaginei que isso pudesse acontecer no sindicato que representa a gente", comenta seu Almeida.

Em outro caso, 23 trabalhadores ganharam uma ação coletiva contra a Schindler no valor de R$ 2 milhões, fora honorários advocatícios. Após 25 anos de disputa, o dinheiro foi depositado na conta do sindicato em novembro de 2017. Em janeiro de 2018, a entidade alegou à Justiça ter localizado apenas cinco trabalhadores, aos seria destinado cerca de R$ 800 mil, ao todo.

O restante ficou nos cofres do sindicato, que é filiado à Força Sindical. Filha de um dos beneficiários -José Hugo da Silva, morto em 2009- Vanessa Aparecida da Silva diz que a família nunca mudou de endereço. E lamenta que o pai tenha morrido sem saber de sua vitória na Justiça.

Na quarta-feira (12), Medeiros entrou com uma representação no Ministério Público Estadual contra o sindicato que também dirige.

Na representação, Medeiros também lista os benefícios dos diretores, como o salário de seus funcionários, um de R$ 5 mil e outro de R$ 7 mil.

O ex-deputado também acusa a direção da entidade não repassar o INSS e o Imposto de Renda retidos na fonte, nem de realizar assembleias.

Ele diz ainda que, em 2014, a informação foi de que o sindicato mantinha R$ 86 milhões em caixa. E que, no mês passado, a diretoria da entidade foi informada de que não havia mais dinheiro em conta.

Entre as suspeitas que levou ao Ministério Público, Medeiros aponta a contratação de um escritório de advocacia a R$ 199, 3 mil mensais.

Além da denúncia levada ao Ministério Público, ele diz ainda que a reforma das instaladores médicas da entidade custou R$ 25 milhões.

E que nos últimos três anos, o sindicato gastou R$ 1,2 milhão de reais em viagens de seus diretores. A acusação de Medeiros causou reboliço no Sindicato, que convocou às pressas uma reunião para segunda-feira.

"O sindicato virou uma máquina de arrecadar, seja de qualquer forma. Perdeu o seu objetivo, que é representar o trabalhador", acusa Medeiros.

O presidente do sindicato, Miguel Torres, que está em Bogotá, diz desconhecer qualquer irregularidade.

"Não tenho conhecimento de nenhuma irregularidade. Não tem registro de nenhum trabalhador e trabalhadora que procuraram o sindicato,o nosso jurídico, com ações ganhas e que não foi providenciado o pagamento. Voltando ao Brasil, vou tomar pé da situação", disse.

O Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de São Paulo e Mogi tem 150 mil empregados em sua base territorial, dos quais 24 mil pagam R$43 mensais ao sindicato.

A arrecadação das contribuições sindicais dá-se em duas formas. Em uma, há o desconto de duas parcelas de 2,5% do salário dos trabalhadores da categoria. Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório