Meteorologia

  • 17 DEZEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Plano de Bolsonaro prevê aumentar verba para ciência

Projeto não deixa claro, no entanto, como elevar esses recursos no momento em que meta é zerar o rombo das contas públicas

Plano de Bolsonaro prevê aumentar verba para ciência
Notícias ao Minuto Brasil

08:04 - 13/10/18 por Estadao Conteudo

Economia Proposta

Uma nova proposta de incentivo à ciência, tecnologia e inovação feita por assessores de Jair Bolsonaro (PSL) prevê medidas para alavancar investimentos privados e "aumento real do orçamento" federal para o setor. O plano sugere ainda uma guinada no direcionamento dos recursos públicos, orientando desembolsos para pesquisas aplicadas em projetos considerados prioritários.

A meta geral é elevar o investimento feito por governo e iniciativa privada de 1,3% para 2,5% do PIB (produto interno bruto) em quatro anos. O documento que resume a proposta de Bolsonaro para o setor, ao qual o Estado teve acesso, afirma que é necessário dar "prioridade orçamentária" à área em todos os níveis do governo, até mesmo, se necessário, "com prejuízo dos demais campos do poder", à exceção da educação, saúde e saneamento básico.

"O Brasil precisa colocar ciência, tecnologia e inovação no centro da sua estratégia nacional de desenvolvimento, como fazem outros países", diz o economista Marcos Cintra, presidente da Financiadora de Inovação e Pesquisa (Finep), agência de fomento vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). "Aqui ele é um setor como outro qualquer. Quando precisa cortar, passa a régua e corta tudo igual. Isso não pode acontecer. Passamos por ajuste fiscal, mas tem de priorizar."

Cintra é um dos principais colaboradores do economista Paulo Guedes, que coordena boa parte do plano de governo de Bolsonaro. O documento com as propostas para o setor congrega os debates conduzidos por Cintra e pela equipe supervisionada em Brasília pelo general Aléssio Ribeiro Souto.

O texto surge como um complemento ao plano de governo protocolado pela campanha de Bolsonaro na Justiça Eleitoral, que fala muito pouco sobre ciência e tecnologia.

O novo plano traz uma série de propostas para alavancar o setor, mas não detalha como a previsão de aumento dos dispêndios ficará em linha com o compromisso que Guedes estabeleceu no programa de Bolsonaro de zerar o rombo nas contas públicas já em 2019.

O texto destaca a necessidade de reverter o contingenciamento de fundos setoriais vinculados à área, como o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT), que são alimentados por contribuições de empresas, mas que, na prática, destinam apenas uma pequena fração de fato para pesquisas - a maior parte costuma ser contingenciada e usada para ajudar a fechar as contas do governo.

A proposta é, de um lado, vetar o bloqueio desses recursos, estimados em cerca de R$ 5 bilhões, e, de outro, colocar em marcha medidas para estimular o investimento das empresas em pesquisa e desenvolvimento, hoje em torno de 0,6% do PIB, abaixo do visto em países desenvolvidos.

Nesse sentido, uma das ações previstas é reduzir a ênfase dada hoje à oferta de crédito, estimulando em seu lugar a concessão de subvenção. Por esse mecanismo, previsto em lei desde 2004, o governo pode aplicar recursos públicos "não reembolsáveis" diretamente em empresas que desenvolvam projetos estratégicos e dividir, assim, os riscos da empreitada com o setor privado.

"O governo tem de orientar para onde vai a pesquisa, chamar as empresas, estimulá-las a atender a demanda indicada e dar subvenção em vez de crédito. Com isso, vamos ampliar muito o interesse das empresas privadas em entrarem no setor", diz Cintra. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório