Meteorologia

  • 25 ABRIL 2019
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Nissan suspeita de elo de Ghosn com Cabral e Eike, afirma jornal

A informação foi divulgada pelo Financial Times

Nissan suspeita de elo de Ghosn com Cabral e Eike, afirma jornal
Notícias ao Minuto Brasil

20:38 - 09/12/18 por Folhapress

Economia negócios

A Nissan suspeita que o executivo Carlos Ghosn, que presidia o conselho de administração da empresa e está preso desde 19 de novembro, tenha mantido relações com políticos e empresários brasileiros acusados de receber propinas e praticar corrupção, entre eles Eike Batista e o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral, segundo reportagem do Financial Times.

A informação veio à tona após a Nissan afirmar estar apelando à Justiça brasileira para impedir que a família de Ghosn busque itens pessoais do executivo em apartamento de propriedade da empresa no Rio de Janeiro e usado por ele. A empresa considera que pode haver ali indício de condutas inapropriadas de Ghosn.

A própria compra do imóvel é investigada. A suspeita é que fundos de uma subsidiária da empresa, que teria como função o investimento em startups, na Holanda, tenham sido usados para a compra dele e de residências no Líbano e na França para uso de Ghosn.

A família do executivo estaria disposta a retirar os itens pessoais na presença de oficiais da Justiça, para garantir transparência na ação, diz o Financial Times.

Pessoas familiares ao caso ouvidas pelo jornal afirmam que a relação entre Ghosn e figuras proeminentes no Brasil ainda não fazem parte dos interrogatórios pelos quais o executivo passou. Também não há acusações formais de crimes cometidos no Brasil.

Nascido no Brasil e considerado responsável por livrar a Nissan da falência no início dos anos 2000, Ghosn foi preso sob suspeita de ter ocultado parte de seus ganhos, entre outros ilícitos.

PRESIDENTE

Em outro sinal das divergências internas entre Ghosn e a cúpula da Nissan, o jornal americano The Wall Street Journal informou que Ghosn pretendia trocar o presidente-executivo da empresa, Hiroto Saikawa, antes de ser preso.

A insatisfação de Ghosn com Saikawa, segundo executivos ouvidos pelo jornal, decorria de problemas na gestão do negócio, incluindo redução de vendas nos Estados Unidos e perda de qualidade no Japão.

Não está claro se Saikawa sabia dos planos de Ghosn de retirá-lo da empresa, o que poderia acontecer em uma reunião do conselho de administração ainda em novembro. Em vez disso, Ghosn foi demitido da empresa no dia 22.

Após a prisão, Saikawa afirmou que a Nissan vinha investigando o uso de recursos da empresa para fins pessoais e outras condutas inapropriadas de Ghosn havia meses. A companhia colaborava com a promotoria japonesa no caso. Com informações da Folhapress. 

Leia também: Achei que fosse morrer, diz 15ª mulher a acusar João de Deus por abuso

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório