Meteorologia

  • 20 JANEIRO 2019
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Itaú: Reforma da Previdência é o que falta para estimular confiança

Presidente do banco diz que novo governo 'vem demonstrando compromisso com a reforma '

Itaú: Reforma da Previdência é o que falta para estimular confiança
Notícias ao Minuto Brasil

16:20 - 17/12/18 por Folhapress

Economia opinião

O presidente do Itaú BBA, Eduardo Vassimon, disse nesta segunda-feira (17) que está otimista com a aprovação da reforma da Previdência em 2019. Ele disse acreditar que o ajuste fiscal é o que está faltando para elevar a confiança e estimular a economia.

"A equipe do novo governo vem demonstrando compromisso com a reforma e a população está mais consciente da necessidade do ajuste das contas", justificou Vassimon, ao ser questionado sobre os motivos do otimismo.

+ Boeing vai pagar US$ 4,2 bi por 80% da aviação comercial da Embraer

+ Deputados de SP aprovam indenização de 23 anos para quem se demitir

O executivo, que também ocupa o cargo de diretor-geral de atacado do Itaú Unibanco, vai se aposentar no início do ano que vem. Ele será substituído por Caio Ibrahim David, vice-presidente de controle de riscos e finanças do Itaú BBA.

Para David, que também participou do encontro de fim de ano do Itaú com a imprensa, a economia brasileira está bem mais saudável, após uma longa recessão. "Temos inflação controlada, juros baixos, nível reduzido de alavancagem das empresas. O que permanece é a preocupação com o ajuste fiscal", afirmou.

O Itaú Unibanco projeta crescimento de 2,5% para o PIB do Brasil em 2019, um pouco acima dos 2% estimados para a América Latina e abaixo dos 3,5% da média global. O banco também espera inflação controlada em 3,8% e a Selic estável em 6,5%.

Segundo Vassimon, a recuperação da economia já pode ser percebida na demanda por crédito das pequenas e médias empresas (o chamado middle market), que cresceu 17% de janeiro a setembro de 2018 em relação a igual período do ano anterior. Ele explica que aumentou a necessidade de capital de giro dessas companhias a medida que o consumo subiu.

Já o crédito para grandes empresas caiu 11% no mesmo período. Neste segmento, as companhias costumam tomar crédito para fazer investimentos, que permaneceram travados neste ano a espera das eleições presidenciais, que aconteceram no fim de outubro.

Os executivos do Itaú ponderam, contudo, que seu otimismo com a aprovação das reformas é moderado e que ainda não aceleraram a concessão de crédito. Se a reforma da Previdência não for aprovada, o banco acredita que não será possível para o governo brasileiro cumprir a legislação que congela os gastos do setor público (teto de gastos) a partir de 2020. Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório