Meteorologia

  • 18 OUTUBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Brasil aceitará dinheiro chinês, diz Guedes nos EUA

Ministro falou que o País está aberto a quem quiser investir em infraestrutura

Brasil aceitará dinheiro chinês, diz Guedes nos EUA
Notícias ao Minuto Brasil

07:20 - 19/03/19 por Estadao Conteudo

Economia Investimento

Nos Estados Unidos, o ministro da Economia, Paulo Guedes, fez uma provocação aos americanos sobre a relação do Brasil com a China. Ao dizer que o País está aberto a investimentos, Guedes foi claro ao sinalizar que o País continuará a fazer negócio com os chineses. "Nós vemos vocês fazendo negócios com chineses há anos. Por que nós não podemos? Por que não podemos deixar eles investirem em infraestrutura?", questionou o ministro da Economia.

+ Paulo Guedes pede que empresários dos EUA invistam no Brasil

De forma humorada, ele mostrou que o País está aberto a quem quiser investir em infraestrutura. "Temos um presidente que adora a América. Eu também. Adoro Coca-Cola e Disneylândia. É uma grande oportunidade para investir no Brasil. Eu os convido para essa nova parceria", disse. "Os chineses querem dançar conosco e querem investir lá. Disse ao presidente: amamos os Estados Unidos, mas vamos fazer comércio com quem for mais lucrativo", ressaltou.

Os EUA contam com o Brasil para diminuir a influência da China na América Latina. Guedes foi direto, em discurso a empresários na Câmara de Comércio Americana, ao dizer que o País precisa conseguir investimentos em infraestrutura para reduzir o custo Brasil, os tributos e abrir a economia.

Acordos

Nesta terça-feira, 19, os presidentes Donald Trump e Jair Bolsonaro vão se encontrar na Casa Branca. No comunicado que farão à imprensa, devem afirmar que os dois países querem caminhar para um livre-comércio. No médio prazo, no entanto, isso significa trabalhar por acordos de convergência regulatória e facilitação de comércio e investimentos. Algumas questões práticas da pauta agropecuária não devem ser resolvidas, como a reabertura do mercado americano para compra de carne in natura brasileira. Na outra ponta, os EUA pressionam pela abertura do mercado brasileiro para importação de carne de porco dos americanos.

"Se os EUA querem vender carne de porco para nós, então comprem nossa carne (bovina). Querem vender etanol? Ok, comprem nosso açúcar", apontou o ministro. "O mais importante é que sejamos parceiros comerciais estratégicos para o futuro."

O ministro teve uma reunião com o secretário do Comércio dos EUA, Wilbur Ross, na qual ressaltou ser importante que as grandes corporações dos dois países ampliem o diálogo. "Vamos pegar as 50 maiores empresas dos EUA e do Brasil para conversar", apontou.

Ao mesmo tempo, o ministro da Economia fez um apelo para que os EUA ajudem o Brasil na candidatura do País à OCDE. A entrada na organização, considerada um clube dos países ricos, é vista por Guedes como um selo de confiança internacional. "Por favor, nos ajudem a entrar na OCDE."

Gasto público

Aos empresários, ele defendeu o governo Bolsonaro, disse que o País é uma democracia muito estável e que o presidente tinha "colhões" para controlar o gasto público. "Ninguém tinha colhões para fazer o controle do gasto público. Agora, temos alguém que tem colhões", afirmou.

"Em 60 dias, o presidente enviou ao Congresso duas reformas muito importantes", disse, citando o pacote anticrime, de Sérgio Moro, como a segunda reforma importante. Sobre a reforma da Previdência, Guedes insistiu que "nenhum brasileiro será deixado para trás", mas que a seguridade social não será uma "fábrica de privilégios". Com informações do Estadão Conteúdo.

Campo obrigatório