Meteorologia

  • 14 NOVEMBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Recurso para Copa de 2026 poderá ser vetado por desigualdade dos EUA

Um projeto poderá vetar recursos para a competição por causa da desigualdade entre atletas dos Estados Unidos

Recurso para Copa de 2026 poderá ser vetado por desigualdade dos EUA
Notícias ao Minuto Brasil

10:30 - 12/07/19 por Estadao Conteudo

Esporte HOMENS E MULHERES

A luta das jogadoras da seleção norte-americana de futebol por pagamentos iguais aos dos homens chegou ao Capitólio. Nesta semana, o senador Joe Manchin, eleito pelo Estado da Virgínia Ocidental, apresentou um projeto de lei que proíbe a destinação de recursos federais para a Copa do Mundo de 2026 até que a federação americana de futebol garanta remuneração igual para os dois times: feminino e masculino. A proposta chega a Washington no auge do entusiasmo e popularidade do time feminino, após a conquista do tetracampeonato no Mundial da França.

O projeto estabelece que "nenhum fundo federal poderá ser designado para apoiar a Copa do Mundo de 2026, incluindo: apoio a uma cidade anfitriã, a um estado participante ou agência local, à Federação de Futebol dos Estados Unidos, à Confederação de Futebol da América do Norte, da América Central e do Caribe (Concacaf) ou à Fifa, até a data em que a Federação de Futebol dos Estados Unidos concordar em pagar equitativamente" os integrantes das duas seleções.

As jogadoras da seleção americana deixaram claro antes de embarcar para a França que buscavam mais do que um troféu, mas direitos iguais em campo, e que usariam a exposição no Mundial como plataforma política. Em março, no Dia Internacional da Mulher, 28 jogadoras decidiram processar a federação americana de futebol para pedir salários iguais aos dos jogadores. Elas alegam que jogaram 19 partidas a mais do que a seleção masculina em um período de três anos, gastaram mais tempo em viagens, treinos e coletivas de imprensa, mas mesmo assim recebem o equivalente a 38% da remuneração paga aos homens. A federação e as jogadoras concordaram em iniciar um processo de mediação para resolver a questão.

"O pagamento desigual entre os times de futebol masculino e feminino dos EUA é inaceitável e fico feliz que a vitória da equipe feminina esteja causando clamor público", afirmou o senador.

A ideia do projeto veio depois de o parlamentar receber carta da treinadora de futebol da West Virginia University. Nikki Izzo-Brown trabalha há mais de 20 anos no treinamento de mulheres no esporte. Ao parlamentar, ela pediu apoio à causa das jogadoras americanas. "A desigualdade é injusta e a diferença salarial tem de acabar. As mulheres ganharam quatro títulos. Os homens, nenhum. A audiência na Copa do Mundo superou a da Copa masculina em mais de três milhões. Ainda, o time feminino gerou uma receita em 2016 quando o masculino gerou prejuízo", escreveu a treinadora ao senador.

Uma das justificativas comuns para a diferença no pagamento é o argumento de que os jogos femininos não são tão lucrativos e não despertam o mesmo interesse das marcas patrocinadoras. No fim de junho, enquanto ainda acontecia o Mundial da França, o jornal The Wall Street Journal informou que os jogos da seleção feminina de futebol dos EUA geraram mais receita do que os da seleção masculina - segundo análise feita com base nos dados dos relatórios financeiros da Federação de Futebol dos EUA. Os direitos de transmissão e patrocínios, no entanto, são vendidos em um pacote e, por isso, é difícil diferenciar qual dos dois times recebeu mais verba.

A audiência nas televisões do país para assistir à final do Mundial Feminino foi pouco mais de 20% maior do que a conectada para assistir à final da Copa do Mundo masculina, em 2018, entre França e Croácia. A seleção americana masculina nunca ganhou uma Copa do Mundo - no ano passado, o time sequer se classificou para a competição.

Para os americanos, o futebol está longe de ser o esporte favorito. Outros vêm na mente dos moradores dos Estados Unidos muito antes de pensarem em uma Copa do Mundo. Futebol americano, basquete, beisebol e hóquei despertam as paixões nacionais. Mas, na Copa Feminina, a seleção americana tem conseguido despertar entusiasmo entre os americanos desde 2015, com o tricampeonato. Na quarta-feira, em um desfile das jogadoras campeãs em Nova York, a igualdade salarial foi tema central - não apenas nos discursos e cartazes das jogadoras, mas também entre o público. Uma das faixas dizia "desfiles são legais, mas pagamento igual é mais legal".

Em 2016, um grupo de jogadoras já havia acionado a Justiça contra a federação americana de futebol, que foi obrigada a corrigir discriminações como diárias de alimentação mais baixas para as mulheres do que para os homens.

Transmissões ao vivo dos jogos dos principais times do Brasileirão!

Veja resultados, notícias, entrevistas, fotos, vídeos e os bastidores do mundo do esporte

Obrigado por ter ativado as notificações do Esporte ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Brasil Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório