Avião que fez pouso forçado com Angélica e Huck não podia voar

O incidente aconteceu em Mato Grosso do Sul, em maio de 2015; relatório indica falhas da aeronave e erro dos tripulantes

© Reprodução/Instagram
Fama 2015 10:30 - 21/04/17 POR Notícias Ao Minuto

O relatório final sobre o voo que fez um pouso forçado com o casal de apresentadores Luciano Huck e Angélica revelou que a aeronave não tinha condições de voar. O incidente aconteceu em Mato Grosso do Sul, em maio de 2015. Além do casal, o avião levava os três filhos de Angélica e Huck, duas babás, o piloto e o co-piloto.

PUB

O documento do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), do Comando da Aeronáutica, indica que houve falha da tripulação e que o avião não poderia ter levantado voo por causa de dois equipamentos essenciais que estavam inoperantes.

Além disso, de acordo com a reportagem do G1, os pilotos não seguiram o checklist obrigatório em casos de pane.

A perícia constatou que o avião que levava a família de Huck tinha dois equipamentos essenciais sem funcionar: o gravador de dados de voz, que é uma das caixas-pretas, e um sistema que diminui automaticamente resistência do ar em uma das hélices quando ela para.

O incidente também foi provocado por outro problema: a troca da posição dos sensores de combustível da asa esquerda. Segundo a publicação, o do tanque interno estava instalado no externo, e vice-versa, o que fez com que o piloto achasse que havia combustível naquela asa, o que não era verdade.

O relatório da Cenipa também informa que a empresa de táxi-aéreo orientava os pilotos a não escriturar “não conformidades” no diário de bordo da aeronave. Eles sequer tinham acesso às cadernetas de motor, célula e hélice.

Os equipamentos que não eram considerados essenciais para o despacho da aeronave tambem não costumavam passar por manutenção e os pilotos faziam anotações apenas em um livro de discrepâncias criado pela própria empresa, para evitar que as aeronaves ficassem indisponíveis para o voo.

De acordo com a investigação, os pilotos chegavam a sofrer pressão da empresa de táxi-aéreo para voar sempre que possível. Os profissionais não faziam os treinamentos periódicos na aeronave modelo EMB-820C Carajá (que fez o pouso forçado), segundo o relatório, eles faziam os treinamentos apenas no EMB-210D Sêneca.

A apuração concluiu que esse fato se dava porque as horas de voo do outro modelo eram mais caras.

A reportagem do Jornal Nacional tentou entrar em contato com o piloto e representante da empresa de táxi-aéreo, mas eles não quiseram dar entrevista.

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS

Receba as notícias dos famosos, novelas, BBB e outros reality shows!

O mundo das celebridades com fotos, vídeos e noticias de actores, actrizes e famosos.

Obrigado por ter ativado as notificações de Fama ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias Ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

X