Meteorologia

  • 17 JUNHO 2019
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

'Você não seduz o outro lado dando porrada nele', diz ator

Para o humorista Marcius Melhem, criador do programa "Tá no Ar", procurou ser crítico sem ofender

'Você não seduz o outro lado dando porrada nele', diz ator
Notícias ao Minuto Brasil

11:45 - 17/02/19 por Folhapress com GUSTAVO FIORATTI

Fama TV Globo

Para dar impulso ao "Tá no Ar", humorístico que começou em 2014 e cuja última e sexta temporada termina em abril, o ator Marcius Melhem defendeu que a Globo "tirasse o jurídico da frente".

É uma frase simbólica na promoção de um programa que, sem dúvida, mudou o conceito que a emissora líder no país tinha sobre a liberdade de expressão de seus artistas.

A equipe do "Tá no Ar", incluindo Marcelo Adnet, terminará sua trajetória mexendo com questões políticas sensíveis aos brasileiros, dando ainda suas cutucadas na própria Globo e com a autorização para citar o nome de marcas. Sem medo de ações na Justiça ou tomar bronca do chefe.

Alçado ao comando do núcleo de humor da emissora no ano passado, Melhem, porém prefere reformular sua frase sobre o setor jurídico da casa. A sentença "se tornou injusta".

"A gente tem um diálogo aberto com o jurídico hoje", prossegue. "O que eu via como algo que nos impedia de fazer humor hoje é nosso melhor parceiro".

+ Marina Ruy Barbosa desmente boatos de traição: 'Amo meu marido'

+ Beijo na boca de Wagner Moura e Jean Wyllys repercute na rede; assista

Segundo o humorista, muito do que é retratado no programa tem o aval de advogados. "'Qual o risco?', pergunto. E o jurídico diz: 'Você tem menos chance de contestação'. O que antes era 'pode ou não pode [falar]' hoje é 'como falaremos isso?', diz, recusando a hipótese de censura.

Melhem falou com este repórter na sede do canal, no Rio de Janeiro, antes da gravação da cena derradeira de "Tá no Ar", em que se simula o enterro do programa. A equipe de roteiristas, atores, produtores, maquiadores, acompanhou um caixão até a portaria dos Estúdios Globo, cantando marchinhas de Carnaval. As imagens serão exibidas no último episódio, em abril.

Melhem garante que, com o programa, não se encerra o momento em que o humor da Globo passou a refletir com mais contundência os pesadelos do universo político, a corrupção, a violência extremada, o racismo e outras questões caras aos brasileiros. Outra produção, também em parceria com Adnet, está sendo criada, sem que haja perda de acidez e olhar crítico.

"Esse conceito é discutido com a empresa, apoiado pela empresa, e o debate é muito amplo. Para mim não tem graça se não dialogar com o país. Não acho mais ou menos nobre que nada. Acho que o humor que faz pensar é tão nobre quanto o que te faz esquecer dos problemas. Mas o que me dá tesão pessoal é trabalhar dialogando com a sociedade. Tocando nos temas importantes", diz Melhem.

Para ele, o humor reage ao contexto em que é criado, e a vitória de Jair Bolsonaro, bem como a engorda dos conservadores nas cadeiras do Congresso, determinou um tom.

Ele exemplifica com a exibição de "Poliamor - o Clipe", em que famílias de diversas orientações sexuais e formações cantam um pagode antigo. É um manifesto contra expressões de intolerância.

"Vivemos um momento muito perigoso, e eu acho que tem de haver um entendimento", diz Melhem.

"Quem ganha tem de saber ganhar. Quem ganhar não pode achar que é dono das verdades, dos comportamentos e das atitudes da sociedade", diz. "Nesse jogo de forças, esmagar a oposição ou esmagar o contraditório, isso é próprio de ditaduras", defende.

"O que espero de 2019 é que um discurso inicial, que me pareceu um pouco radical, se transforme em um diálogo mais amplo com todas as forças de maior ou menor potência. Para que a sociedade seja o que ela precisa ser, uma sociedade plural."

Um dos ofícios do humorista, diz Melhem, é abrir o diálogo com quem pensa diferente. "Não adianta falar só com quem já concorda com a gente. Vamos seduzir o outro lado. Você não seduz o outro lado dando porrada nele. Você seduz dizendo 'entendo como você pensa, mas já olhou por esse lado aqui?'."

Neste discurso de tolerância e de endosso da pluralidade, cabe uma autocrítica. Espectadores do programa apontaram a ausência de negros na formação do elenco central.

"A gente sempre convidou atores negros a participar. No elenco original não havia. A gente acha que se houve uma coisa que a gente sentiu como lacuna do programa foi a gente não ter conseguido colocar em um primeiro momento atores negros."

*O jornalista viajou a convite da TV Globo

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as notícias dos famosos, novelas, BBB e outros reality shows.

O mundo das celebridades com fotos, vídeos e noticias de actores, actrizes e famosos.

Obrigado por ter ativado as notificações de Fama ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Brasil Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório