Meteorologia

  • 30 SETEMBRO 2020
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Policial agride vizinhas com cassetete após invadir apartamento em SC

O caso ganhou enorme repercussão nas redes sociais

Policial agride vizinhas com cassetete após invadir apartamento em SC
Notícias ao Minuto Brasil

07:23 - 05/08/20 por Folhapress

Justiça Lages

PORTO ALEGRE, SP (FOLHAPRESS) - Um policial invadiu o apartamento de vizinhas do andar de cima, agredindo-as com um cassetete na noite da última segunda-feira (3), em Lages, a 176 km de Florianópolis (SC). As cenas foram registradas em vídeo.

O policial, segundo a Polícia Militar de Santa Catarina, estava afastado do trabalho por pertencer ao grupo de risco da Covid-19. A corporação não informou o nome do policial. A reportagem, no entanto, confirmou tratar-se de Marcio Hugen.

As quatro moradoras, todas universitárias entre 21 e 23 anos, comemoravam com música a entrega do trabalho de conclusão de curso (TCC) de uma delas, a estudante de veterinária Marina Kühl, 23. Elas também receberam uma amiga.

Segundo as moradoras, o vizinho havia reclamado do barulho por interfone e ameaçado subir para terminar com a reunião.

"Vou bater em quem eu tiver que bater nessa merda aqui", diz o policial no vídeo. Depois ele bate com o cassetete na mesa da casa. "A gente está dentro de casa comemorando o TCC", respondeu Luana Gallo 21, estudante de história.

"Tu acha que é quem para entrar na minha casa e apontar essa merda para mim?", diz ela. O policial fez o gesto de que bateria nela com o cassetete.

Em uma das cenas do vídeo, a mulher do policial aparece correndo para dentro do apartamento para arrancar o celular de Kühl, que filmava a situação.

A tentativa gerou reação das universitárias, depois do que o policial passou a agredi-las fisicamente.

As imagens mostram Kühl apanhando no chão. "Para de bater nela", implora outra estudante. Fotografias mostram Jainara Perin, 21 com o olho inchado após apanhar no rosto com o cassetete.

"Ele começou a ameaçar a gente. Ficamos nervosas. Por sorte nós gravamos o que aconteceu", conta Kühl.

"Nada justifica as batidas na porta com o cassetete, a forma grossa como nos tratou, invadindo e gritando com a gente, dizendo que iria bater em nós, quebrando nossa cara", diz Gallo.

Em nota, a PM afirmou que "logo após ter conhecimento dos fatos determinou a instauração do procedimento correcional competente para apuração". A corporação afirmou que o caso é isolado e que "não coaduna com qualquer conduta irregular, bem como violência contra a mulher".

Após a publicação da nota, internautas passaram a criticar a corporação destacando que a violência policial não é um 'fato isolado' e apontaram que o agente estava afastado por ser grupo de risco da covid-19, porém teria invadido uma casa, ameaçado e agredido as jovens, além de não ter respeitado o isolamento social e nem ter usado máscara colocando as vítimas em risco de contrair o coronavírus.

Campo obrigatório