Meteorologia

  • 05 JULHO 2020
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Testemunha diz ter visto policial jogar arma em carro de universitário

Vários tiros foram disparados e universitário não tinha nenhuma arma na mão, segundo testemunhas ouvidas

Testemunha diz ter visto policial jogar arma em carro de universitário
Notícias ao Minuto Brasil

08:10 - 30/06/16 por Folhapress

Justiça PM

O estudante Julio Cesar Alves Espinoza, 24, não teria reagido durante a abordagem Polícia Militar e da Guarda Civil Municipal de São Caetano do Sul (Grande SP). Uma testemunha afirma que viu toda a ação e que um policial jogou uma arma no carro do universitário depois de ele ter sido baleado.

"Eu vi quando estava chegando às 3h30 da manhã. Entrei na rua, as polícias vieram atirando no rapaz tava dando fuga. E aí pegaram e descarregaram mais de 50, 100 tiros", afirmou a testemunha ao "Jornal Hoje", da TV Globo.

Ela disse ainda que não houve troca de tiros. "Não teve em nenhum momento troca de tiro. A hora que parei meu carro na avenida eles entrou atirando e moleque veio cambaleando com carro de lá de baixo até aqui. Aí ele se perdeu ali, bateu e ali foi uma sessão de tiro. Terror mesmo. Parecia bangue bangue".Estudante de tecnologia logística, Julio Cesar Alves Espinoza morreu nesta terça (28) após ser baleado na cabeça na Vila Prudente, na zona leste de São Paulo. Segundo familiares, ele dirigia o Gol da família na volta para casa na madrugada de segunda (27) após ter trabalhado em um buffet em São Caetano do Sul.

Testemunhas ouvidas pela Folha de S.Paulo também afirmam que vários tiros foram disparados e que o universitário não tinha nenhuma arma na mão. "Não tinha precisão de dar tiro. Quando o moleque parou, 'sentaram' ainda mais bala para cima. Ouvimos mais de 40 tiros. Foi uma par de tiros. O moleque não tinha arma na não." O carro do estudante foi encontrado com ao menos 16 marcas de tiros -no registro policial são especificados sete tiros de GCMs e oito de PMs.Rechaçada por amigos e familiares, a versão da PM diz que um revólver calibre 38 foi encontrado no colo dele, com três tiros deflagrados e três ainda íntegros.

Os PMs dizem ter avistado "um clarão e estampidos vindos do interior do Gol" e apresentaram dois papelotes de pó branco, segundo eles achados no carro.Testemunhas dizem que carros da GCM de São Caetano foram os primeiros a chegar no local onde o carro do rapaz parou -já na cidade de São Paulo, fora da área de atuação da corporação. Afirmam ainda que os PMs recolheram cápsulas no chão e entraram em duas empresas, uma delas onde o carro do suspeito colidiu por último, que têm câmeras de monitoramento.

"A GCM foi a primeira a chegar e a primeira a sumir. Os policiais mandaram ela sair fora", disse uma das testemunhas. PMs dizem que o rapaz foi atingido após disparar em ao menos três momentos da fuga.

A perseguição, de acordo com relato policial, começou após o rapaz ter desobedecido uma ordem de parada, por volta das 3h. Familiares dizem que o jovem pode ter ficado com medo de ter o carro apreendido, já que o veículo era usado por todos na casa -o Gol tinha R$ 459 em multas vencidas. Ele já teria fugido da polícia em uma outra ocasião, dizem amigos.

A perseguição envolveu ao menos quatro carros da PM e um da GCM. Segundo o relato dos PMs, o rapaz furou bloqueio, trafegou na contramão e depois bateu na cancela de uma empresa, em frente à uma ocupação de sem-teto.

Nesta terça (28), a reportagem ouviu a mesma explicação em ambas companhias: os equipamentos estavam quebrados ou não filmaram a ação de guardas e policiais. Outra lacuna é a demora da PM para informar a ocorrência. Foram quase duas horas até o caso chegar à delegacia.

O ouvidor da Polícia, Julio Cesar Fernandes Neves, disse que chama a atenção a quantidade de tiros no carro. "É um caso que a gente fica chocado com tanto tiro. Trata-se de um universitário sem passagem pela polícia", afirmou. "A gente pleiteia sempre que [o suspeito] seja pego com vida", completou.O governo Geraldo Alckmin (PSDB) informou que investiga o caso e que policiais envolvidos foram afastados.

A PM afirma que, em caso de fuga, a recomendação é o acompanhamento. Nessa situação, "não são recomendados disparos de arma de fogo, sendo incorreta também a prática de disparos contra o pneu do veículo [relatada no boletim de ocorrência]".

"Apenas em condições específicas que os disparos são permitidos, sempre com o objetivo de cessar uma agressão, desde que não haja a possibilidade de colocar em risco a vida ou integridade física de terceiros", afirma a nota. A Prefeitura de São Caetano abriu apuração sobre a conduta dos agentes.

Com informações da Folhapress.

Campo obrigatório