Minhocão tem explosão de roubos e assusta frequentadores

Crimes têm se tornado rotina no elevado recentemente rebatizado de presidente João Goulart

© Reprodução
Justiça São Paulo 06:05 - 21/04/17 POR Folhapress

O professor de filosofia Fabrício Muriana, 32, andava de bicicleta pelo Minhocão, no retorno para casa ao lado da namorada, após um show no Sesc Pompeia, na zona oeste.

PUB

Naquela noite, o casal acabou sob a mira de uma arma e ficou sem as bicicletas e todos os outros pertences.

Crimes como esse, ocorrido numa madrugada de agosto do ano passado, se repetem cada vez mais no elevado recentemente rebatizado de presidente João Goulart.

Os furtos e roubos na região do Minhocão (incluindo a parte debaixo da via) passaram de 100 para 190, na comparação de 2015 com 2016, um aumento de 90%, mostram números obtidos pela reportagem via Lei de Acesso à Informação. Se considerarmos apenas os crimes que aconteceram sobre o elevado, uma alta ainda maior: passaram de 15 para 56 (273%).

Neste tipo de crime, porém, há grande índice de subnotificação, dizem especialistas. Ainda assim, os números ajudam a revelar que o principal avanço se deu no período em que a via está fechada para carros, entre 21h30 e 6h30.

Para efeito de comparação, em 2015, crimes cometidos nessa faixa horária representavam 13% do universo do elevado. Já em 2016, esse número saltou para 36% –o percentual pode ser maior devido à falta de horário em alguns boletins de ocorrência.

Desde que o local virou oficialmente parque, com a sanção por Fernando Haddad (PT) de lei neste sentido, gerou-se um jogo de empurra sobre a responsabilidade pela segurança sobre o elevado.

O governo Geraldo Alckmin (PSDB) diz que, por ser um parque da cidade, quem deveria fazer a prevenção é a GCM (Guarda Civil Metropolitana). Já a gestão municipal de João Doria (PSDB) diz que ações de policiamento ostensivo cabem à polícia, vinculada ao governo estadual (leia texto nesta página).

Enquanto o poder público não age coordenadamente, os criminosos se aproveitam da falta de policiamento.

Não havia sinal das autoridades quando Fabricio Muriana e sua namorada foram abordados por duas pessoas, também em bicicletas.

"Eles alcançaram a gente, emparelharam, mostraram a arma e mandaram parar. Levaram meu celular, nossas bicicletas e abandonaram as bicicletas velhas deles com a gente." Após o roubo, Muriana diz não se sentir mais seguro para pedalar à noite.

Crimes como esse continuaram a acontecer. No mês passado, foi a vez da jornalista Maria Tereza Cruz, 31. Ela pedalava de volta para casa sobre o Minhocão quando foi interceptada por um homem a pé, que roubou sua bicicleta. "Levei um soco na cara, vários chutes já caída no chão", escreveu em seu perfil nas redes sociais.

No Minhocão, entre os casos registrados, a maioria incluiu roubo de celular (70%). Os casos acontecem com mais frequência próximo das alças de acesso. Ladrões costumam passar de bicicleta e levar os aparelhos de pedestres.

Para o coronel da reserva da PM e consultor em segurança José Vicente da Silva, a segurança em uma área confinada é simples de ser feita.

Apenas a presença de guardas ou policiais nos acessos ou em alguma plataforma elevada já inibiria os criminosos, diz o coronel da PM. Com informações da Folhapress. 

Leia também: Jovem é ameaçada ao desistir do 'Baleia Azul'; polícia do DF investiga

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS

X