Meteorologia

  • 28 NOVEMBRO 2021
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Oficiais de Justiça são mantidas sob poder de traficantes em Angra

Depois de 1h30 em poder dos bandidos, as profissionais foram liberadas sob a condição 'de nunca mais nenhum oficial de Justiça entrar no Areal (...) sob pena de entrar e nunca mais sair'

Oficiais de Justiça são mantidas sob poder
 de traficantes em Angra
Notícias ao Minuto Brasil

09:31 - 06/06/17 por Notícias Ao Minuto

Justiça Comunidades

Duas oficiais de Justiça foram cumprir mandados judiciais na comunidade do Areal, em Angra dos Reis, no estado do Rio, no último dia 31, e não puderam voltar para a casa. Elas foram surpreendidas pelos traficantes e detidas na comunidade por 1h30.

Uma das profissionais relatou o caso em um documento enviado à Justiça. A 166ª DP, de Angra dos Reis, abriu um inquérito e está investigando, segundo divulgado pelo Extra.

No documento, a oficial conta que chegou no local por volta das 9h para cumprir uma série de mandados. Após cumprir dois deles, a dupla foi cercada por três homens armados com pistolas quando tentava voltar para o carro. Os criminosos gritavam para que elas deixassem o automóvel e largassem as armas.

A oficial conta que explicou aos criminosos que não possuíam armas e estavam apenas cumprindo mandados. Mesmo assim, os bandidos levaram as bolsas, os celulares e os mandados das oficiais e levaram-nas com eles.

Depois de 1h30 em poder dos traficantes, elas foram liberadas sob a condição "de nunca mais nenhum oficial de Justiça entrar no Areal, em rua nenhuma, sob pena de entrar e nunca mais sair".

O Fórum de Angra vai fazer uma reunião nesta quarta-feira (7) para debater a violência contras oficiais de Justiça. O presidente da Associação dos Oficiais de Justiça Avaliadores do estado do Rio, Rui Batista Martins, diz que casos de violência são frequentes.

Isso é muito corriqueiro, mas não costuma haver registro porque o oficial precisará voltar naquele local para continuar seu trabalho, o que não será possível se ele fizer uma queixa formal."

Leia também: Metade das mortes de jovens no país é assassinato

Campo obrigatório