Meteorologia

  • 19 OUTUBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Em mensagem, mulher morta pelo ex diz que tentou denunciá-lo

"Fui dar parte dele na delegacia da mulher, aí quando cheguei lá ‘tava’ de greve", escreveu a vítima

Em mensagem, mulher morta pelo ex diz que tentou denunciá-lo
Notícias ao Minuto Brasil

15:31 - 23/05/18 por Notícias Ao Minuto

Justiça feminicídio

A cabeleireira Aretha Dantas, de 32 anos, morta no último dia 15, disse para a irmã que tentou denunciar o ex-namorado, mas não conseguiu por conta de uma greve da Polícia Civil. O ex-companheiro foi preso no dia seguinte, suspeito de ter cometido o assassinato. A afirmação da vítima foi dada por meio de uma mensagem para a irmã dela.

"Fui dar parte dele na delegacia da mulher, aí quando cheguei lá ‘tava’ de greve", escreveu Aretha.

De acordo com o G1, a Delegacia Geral disse que a greve não impediria o registro de boletins de ocorrência. A coorporação também disse que não há qualquer registro da tentativa de registro por parte da vítima.

+ Acusados pela morte de embaixador grego vão a júri popular no RJ

Na semana passada, a vítima foi esfaqueada e atropelada por volta das 4h30 no bairro Tabuleta, Zona Sul de Teresina. O ex-namorado, hoje preso, é o principal suspeito do crime. A família da vítima disse que ela já havia sido ameaçada por ele. O ex-companheiro estaria com ciúmes de Aretha, que planejava morar com o atual namorado.

Notícias ao Minuto

As investigações apontam que Aretha morreu dentro do veículo do ex-companheiro. Em seguida, seu corpo teria sido jogado em uma avenida, onde foi atropelado.

Confira a nota da Delegacia Geral na íntegra:

A Polícia Civil do Piauí esclarece que não existe nenhuma comprovação de que Aretha procurou a Delegacia da Mulher ou outra delegacia de Teresina. Durante esse período de greve, não houve negativa por parte da delegacia da Mulher de registrar boletim de ocorrência. O Sindicato orienta que violência contra a mulher, contra criança e adolescente, e outros temas como homicídio são atendidos durante a greve, inclusive a Polícia Civil disponibiliza a Central de Flagrante de Gênero com uma delegada trabalhando 24 horas. A Polícia Civil adotou em curto prazo todas as providências para a elucidação do crime e para a prisão do suspeito.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório