Meteorologia

  • 11 DEZEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Funcionária do Ministério dos Direitos Humanos é morta pelo ex-marido

Janaína Romão, 30 anos, foi assassinada em Santa Maria, no DF, neste sábado

Funcionária do Ministério dos Direitos Humanos é morta pelo ex-marido
Notícias ao Minuto Brasil

15:33 - 15/07/18 por Notícias Ao Minuto

Justiça Feminicídio

Uma funcionária terceirizada do Ministério dos Direitos Humanos foi assassinada neste sábado (14), em Santa Maria, região administrativa do Distrito Federal a cerca de 26 km do centro de Brasília. A 33ª Delegacia de Polícia registrou o caso como feminicídio.

Janaína Romão Lúcio, 30 anos, trabalhava como assessora do Comitê Intersetorial de Acompanhamento e Monitoramento das Políticas Públicas para a População em Situação de Rua. No fim da tarde de ontem, ela foi esfaqueada ao ir buscar as filhas na casa do ex-marido Stefano J. S. A., com quem, segundo testemunhas, teria discutido.

+ PM e criminosos entram em confronto no Alemão; 5 são baleados

Janaína tinha duas filhas com Stefano e teria sido vítima de uma "crise de ciúmes", segundo testemunhas relataram à Polícia Civil. Ela foi golpeada cinco vezes, no peito e nas costas, e chegou a ser transportada pelo Samu ao Hospital Regional de Santa Maria, mas não resistiu aos ferimentos.

Notícias ao Minuto

Em nota, o ministro dos Direitos Humanos, Gustavo Rocha, lamentou a morte da funcionária e repudiou a violência contra as mulheres. “Em nome de todo o ministério, compartilho do luto e manifesto solidariedade aos familiares e colegas de trabalho”, manifestou, destacando a gravidade da situação das mulheres vítimas da violência.

Representantes do Ministério dos Direitos Humanos já estão em contato com a Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal a fim de acompanhar as investigações do assassinato de Janaína.

Também em nota, o escritório potiguar do Movimento População de Rua informou ter recebido a notícia da morte de Janaína “com imensa tristeza e pesar”. “Esperamos que o caso seja apurado e o assassino seja preso e pague pelo crime bárbaro de feminicídio”, acrescentou o movimento, aproveitando para repudiar também a todas as mortes de pessoas que viviam nas ruas. Com informações da Agência Brasil.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório