Meteorologia

  • 12 NOVEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

A cada oito dias, um jovem infrator morre em unidades socieducativas

Dados oficiais apontam que a maioria dos assassinatos ocorre em “conflitos”, como motins ou brigas

A cada oito dias, um jovem infrator morre em unidades socieducativas
Notícias ao Minuto Brasil

15:13 - 19/08/18 por Notícias Ao Minuto

Justiça apreendidos

Um levantamento realizado pelo jornal O Globo aponta que, em 2018, um adolescente morreu a cada oito dias, em média, dentro de unidades socioeducativas no Brasil. No total, 26 jovens morreram nos primeiros sete meses do ano. Em 2017, foram 42 vítimas, o que também significa uma ocorrência a cada oito dias.

A pesquisa indica ainda que cerca de 54% das mortes deste ano foram classificadas como homicídios, 3,8% como suicídios e há 42,3% ainda a esclarecer. Dados oficiais apontam que a maioria dos assassinatos ocorre em “conflitos”, como motins ou brigas.

+ Detentos são encontrados mortos dentro de presídio de Alcaçuz

A estimativa é de que existam cerca de 25 mil adolescentes em privação de liberdade.

O representante da Associação Nacional dos Centros de Defesa da Criança e do Adolescente (Anced), Acassio de Souza, explica que o aumento das facções criminosas em estabelecimentos socieducativos é resultado da incapacidade de os estados estabelecerem programas. "O Estado é responsável por garantir a vida e a integridade física de todos os adolescentes que estão sob sua custódia. A incapacidade de enfrentar o ingresso das facções no sistema socioeducativo não pode ser álibi para o poder público se desresponsabilizar", afirmou.

Ainda segundo Acassio de Souza, a taxa de mortes no sistema socioeducativo (14,3 por 10 mil internos) é maior que no sistema prisional (8,4 por 10 mil presos), segundo dados oficiais de 2016, os mais recentes para os dois universos (adolescentes e adultos).

As superlotações e as péssimas condições dos estabelecimentos para menores infratores chamaram a atenção da Comissão Interamericana de Direitos Humanos e fizeram com que o Ministério Público Federal (MPF) acionasse governos estaduais, como o Ceará, onde sete jovens morreram desde novembro.

"O sistema está em desacordo com a lei, com problemas estruturais, violações de direitos de toda ordem", destaca a procuradora do MPF Deborah Duprat, que fez visitas a unidades socioeducativas.

A reportagem do jornal O Globo refere que há superlotação em pelo menos doze estados. Além da falta de vagas, os centros de recuperação sofrem com o deficit de servidores, denúncias de violência, falta de assistência básica em educação e saúde.

Campanha do Notícias ao Minuto dá iPhone X de R$ 7.799; participe

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório