Meteorologia

  • 13 NOVEMBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Polícia intercepta plano para matar deputado Marcelo Freixo no Rio

O deputado já anda com proteção policial no Rio há dez anos, desde que presidiu a CPI das Milícias na Assembleia Legislativa do estado

Polícia intercepta plano para matar deputado Marcelo Freixo no Rio
Notícias ao Minuto Brasil

06:52 - 14/12/18 por Folhapress

Justiça Assassinato

A polícia interceptou um plano de milicianos que pretendiam matar o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL) -que foi eleito deputado federal neste ano- durante um evento em Campo Grande, bairro da zona oeste do Rio.

O atentado ocorreria na manhã deste sábado (15), quando o parlamentar se reuniria com militantes do PSOL no sindicato de professores da rede particular da cidade (Sinpro) para debater a conjuntura política do país e do estado, atividade que foi divulgada em suas redes sociais.

O evento foi cancelado após a equipe de Freixo receber, na tarde de quarta (12), um comunicado do setor de inteligência da Secretaria de Segurança Pública informando que três milicianos, entre eles um policial militar, pretendiam assassiná-lo naquele bairro. T

Também receberam o alerta policiais civis, militares e o Ministério Público Estadual.

As informações vieram por meio do Disque Denúncia, serviço de denúncias anônimas do estado. O caso foi revelado pelo jornal O Globo, segundo o qual os suspeitos estariam ligados também ao controle de operações ilegais de caça-níqueis e do jogo do bicho.

Freixo era amigo e aliado da vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada em março deste ano com o motorista Anderson Gomes e cujo crime ainda não foi esclarecido pela polícia, que está desde fevereiro sob comando da intervenção federal na segurança pública -encabeçada pelo general Walter Braga Netto.

Nesta quinta (13), a Polícia Civil do Rio cumpriu mandados de prisão e de busca e apreensão ligados às mortes de Marielle e Anderson. A operação não estava diretamente relacionada à ameaça contra Freixo -a própria equipe do deputado também refutou relação entre os casos.

O deputado já anda com proteção policial no Rio há dez anos, desde que presidiu a CPI das Milícias na Assembleia Legislativa do estado.

No relatório final da comissão, ele pediu o indiciamento de mais de 200 políticos, policiais, agentes penitenciários, bombeiros e civis e listou medidas a serem tomadas para enfrentar esses grupos.Freixo disse esperar poder continuar contando com a segurança. "Não estou tranquilo nem posso estar", afirmou. "Este atentado é contra a democracia, não só contra minha vida. É lamentável que isso aconteça no Rio de Janeiro ainda no século 21", disse.

Freixo afirmou também que é precipitado relacionar a ameaça a ele com o assassinato de Marielle Franco. Em nota, a bancada do PSOL na Câmara exigiu proteção a Freixo também em Brasília e disse que cobraria providências do atual e do futuro governo.

A região das ameaças contra o deputado é reduto de milícias -que, segundo o secretário da Segurança do Rio, general Richard Nunes, "com toda certeza" estão envolvidas na morte da vereadora. Com informações da Folhapress.

Veja também: Caso Marielle: alvos das buscas seriam milicianos

Campo obrigatório