Meteorologia

  • 14 OUTUBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Ministério Público de Goiás interroga João de Deus por três horas

Foi a segunda vez que João de Deus foi ouvido pelo MP

Ministério Público de Goiás interroga João de Deus por três horas
Notícias ao Minuto Brasil

05:22 - 15/01/19 por Notícias Ao Minuto

Justiça crimes sexuais

O Ministério Público de Goiás (MP-GO) interrogou nessa segunda-feira (14) o médium João Teixeira de Faria, conhecido como João de Deus. Uma força-tarefa investiga as denúncias de crimes sexuais contra ele por mulheres que foram atendidas pelo investigado ou frequentaram seu centro na cidade goiana de Abadiânia em busca de tratamento espiritual.

A oitiva durou cerca de três horas. Contudo, o Ministério Público de Goiás não divulgou o teor das declarações de João de Deus ou possíveis medidas que serão adotadas pela força-tarefa de promotores montada para apurar os relatos.

+ Bolivianos foram estrangulados antes de esquartejamento, diz IML

Foi a segunda vez que João de Deus foi ouvido pelo MP. Na primeira oitiva, no dia 26 de dezembro, ele já havia negado qualquer abuso sexual contra mulheres no centro que dirige. Advogados de defesa alegaram que o investigado nunca teria ficado sozinho com mulheres no local ou durante atendimentos espirituais.

+ Defesa de João de Deus desiste de habeas corpus no STF

No dia 28, o MP apresentou uma primeira denúncia contra o médium pelos indícios de crimes sexuais. A Justiça estadual acolheu o documento, tornando-o réu em processo. O MP segue apurando os casos e recebendo denúncias e informações por meio de um canal criado especificamente para o caso, por meio do e-mail [email protected]

João de Deus está preso desde o dia 16 de dezembro. Segundo relatos, ele teria cometido violação sexual e estupro de vulnerável com diversas mulheres do centro. Segundo o MP, centenas de mulheres enviaram denúncias ou informações contra o médium por diversas práticas de abuso.

A Agência Brasil entrou em contato com a defesa sobre o depoimento e aguarda retorno. Com informações da Agência Brasil.

Campo obrigatório