Meteorologia

  • 18 OUTUBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Homem estupra mulher, mata outra a tiros e se enforca em São Carlos

Embora o acusado da prática dos dois crimes tenha se matado, as investigações vão prosseguir

Homem estupra mulher, mata outra a tiros e se enforca em São Carlos
Notícias ao Minuto Brasil

20:09 - 26/02/19 por Estadao Conteudo

Justiça Violência

Um homem estuprou uma mulher e depois foi à casa de outra e a matou com sete tiros, na manhã desta terça-feira, 26, em São Carlos, interior de São Paulo. Em seguida, o criminoso usou uma corda para se enforcar numa árvore, na mesma região da cidade. Conforme a Polícia Civil, o autor dos crimes era obcecado pela vítima dos disparos, Elis Cristina Silva da Costa, de 34 anos. Eles teriam tido um breve relacionamento, mas Dario Rogério Staine, de 35 anos, não se conformava por ter sido rechaçado pela vítima.

Conforme o delegado Gilberto de Aquino, da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), Staine primeiro cometeu o estupro. Uma mulher saiu para levar o marido ao trabalho e, ao retornar, foi atacada pelo suspeito. A vítima foi socorrida e levada para a Santa Casa. Em seguida, o homem foi à casa de Elis, na rua Miguel Donofrio, no bairro Santa Angelina, e a matou. Os vizinhos ouviram disparos e viram Staine saindo da casa. O homem caminhou cerca de 100 metros e se enforcou numa árvore, no terreno de uma universidade.

+ Mais de 500 mulheres são agredidas por hora no Brasil, revela pesquisa

Ainda segundo o delegado, uma moradora viu o corpo e foi avisar Elis. Ao entrar na casa, deparou-se com o corpo dela caído no imóvel e acionou a Polícia Militar. No celular da vítima, o policial encontrou diálogos em que Staine insistia em retomar o relacionamento e ela o rechaçava. Conforme o delegado, o homem era traficante e usuário de drogas, e a mulher não aceitava a conduta criminosa dele. Elis trabalhava no café de um supermercado, tinha um filho de 15 anos e fazia planos de cursar uma faculdade.

A mulher que foi atacada antes reconheceu Staine como autor do crime sexual, cuja investigação está a cargo da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM). Conforme o delegado, embora o acusado da prática dos dois crimes tenha se matado, as investigações vão prosseguir para que todas as circunstâncias do caso sejam esclarecidas. A arma usada no crime, considerado feminicídio, não tinha sido localizada até o fim da tarde. Com informações do Estadão Conteúdo. 

Campo obrigatório